sábado, 21 de março de 2009

ALDIR BLANC...GÊNIO!


Eu sou inquieto assim pra dar um corte E no elo entre a satisfação e a morte Sou o ofício secreto do veneno Corroeno o amor - Deus o tenha! Como disse Drummond (mais que epopéia) "Essas flores no copo de geléia" me alucinam "Essa lua, esse conhaque" e o mar - O que mais quero Quando não espero é Deus que dá! Minhas unhas em garras transformadas Rasgam a roupa da virgem apavorada Meia-noite e ao romper aquela porta Que a separa de mim, ela tá morta! Não dá pra entender Essa angústia é boa companheira Da conversa entre o Príncipe e a caveira Deduzi que a esperança É uma besteira corroeno o amor - Deus o tenha! Entre amar e matar não sobra espaço: Quantas lâminas rente ao meu abraço E cristais de arsênico em meu beijo Vão matar o que mais quero Quando não espero é que Deus dá Nem a cobra coral, nem mesmo a naja Dão bote da prata que viaja Numa bala entre a arma e o meu peito Acho graça em desgraça Dito e feito: sou meu matador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...