sexta-feira, 30 de abril de 2010

Editora Fundação Perseu Abramo celebra sucesso do livro “Brasil – Entre o Passado e o Futuro” com nova reimpressão e evento reunindo os autores
Coeditado pela Boitempo, obra chega a sua terceira reimpressão
em pouco mais de um mês no mercado editorial
“Brasil – Entre o Passado e o Futuro”, coeditado pela Editora Fundação Perseu Abramo e Boitempo, chega a sua terceira reimpressão após apenas um mês do lançamento. Para marcar o sucesso editorial, a Editora Fundação Perseu Abramo realiza evento em São Paulo no dia 1 de maio, a partir das 11h30, no foyer do Auditório Simón Bolívar, no Memorial da América Latina, durante a celebração pelo Dia do Trabalho organizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT). Emir Sader, autor da obra ao lado de Marco Aurélio Garcia, estará presente durante o evento.
O livro reúne ensaios de atores da cena política e intelectual brasileira que buscam assimilar e analisar as intensas transformações ocorridas no Brasil nos últimos sete anos. Os textos se debruçam sobre o passado recente do país na tentativa de desvendar diversos aspectos da realidade brasileira, como sua dinâmica econômica, social, política e cultural.
Brasil: entre o passado e o futuro busca contribuir com o debate sobre o que virá após o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para tanto, contou com a colaboração de importantes intelectuais - integrantes do governo ou não - que nunca deixaram de pensar e sistematizar ideias sobre o processo em curso no país: Marco Aurélio Garcia, Emir Sader, Marcio Pochmann, Guilherme Dias, Luiz Dulci, Nelson Barbosa, José Antonio Pereira de Souza e Jorge Mattoso. Além dos artigos, completa o volume uma entrevista com Dilma Rousseff, feita por Garcia, Sader e Mattoso.
O livro apresenta um conjunto de dados, análises e propostas de intelectuais comprometidos com um projeto de país que será o centro do debate nas disputas eleitorais de 2010. Busca, assim, trazer uma contribuição interpretativa sobre o momento atual, vislumbrando sempre poder transformar o futuro.

Ensaios e autores

Brasil, de Getúlio a Lula - Emir Sader
O Brasil herdado - Jorge Mattoso

A inflexão do governo Lula: política econômica, crescimento e distribuição de renda - Nelson Barbosa e José Antonio Pereira de Souza

A sociedade pela qual se luta - Guilherme Dias e Marcio Pochmann
Participação e mudança social no governo Lula - Luiz Soares Dulci
O lugar do Brasil no mundo - Marco Aurélio Garcia
A política externa em um momento de transição - Marco Aurélio Garcia
Um país para 190 milhões de brasileiros - Entrevista com Dilma Rousseff

Ficha técnica
Título: Brasil, entre o passado e o futuro
Organizadores: Emir Sader e Marco Aurélio Garcia

Orelha: Nilmário Miranda



ISBN: 978-85-7643-059-9 (Editora Fundação Perseu Abramo)



ISBN: 978-857559-158-1 (Boitempo Editorial)



Páginas: 200



Preço: R$ 35,00



Coedição: Editora Fundação Perseu Abramo e Boitempo Editorial

A Fundação Perseu Abramo (FPA) nasceu em 1996 pelo Partido dos Trabalhadores para desenvolver projetos de caráter político-cultural.



Dentro desse contexto, em 1997, foi criada a Editora Fundação Perseu Abramo a fim de colaborar de forma pluralista e democrática com o debate político e cultural no Brasil através de uma produção intelectual de qualidade que contempla não somente autores ligados ao PT, mas também autores independentes, sem vínculo partidário, cujas obras trazem uma reflexão crítica sobre a realidade e a cultura brasileira e a história recente do país.
Hoje, a Editora Fundação Perseu Abramo sente-se orgulhosa em ter quase 150 títulos em catálogo. Sua linha editorial de publicações é amplamente utilizada por pesquisadores, estudantes, professores, lideranças políticas de movimentos sociais e culturais, além de agentes ligados ao debate cultural.
Mais informações nos sites da editora www.efpa.com.br ou da Fundação Perseu Abramo www.fpabramo.org.br

Lançamento do livro “Brasil – Entre o Passado e o Futuro”



Com a presença de Emir Sader



Dia 1 de maio, das 11h30 às 13h30.



Foyer do Auditório Simón Bolívar – Memorial da América Latina



Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664 – ao lado do metrô Barra Funda



Entrada Franca



http://www.cut.org.br/

Filosofia Reggae


conheçam o reggae filosofia reggae!
contatos:
www.myspace.com/bandafilosofiareggae!

Amigos, conto com seus votos!

Muito envaidecida!

Atenção Atores e Atrizes do Cariri,




Na próxima semana; dias 5 e 6 de maio, quarta e quinta-feira, a equipe de produção da Mini-Série "Sedição de Juazeiro"; uma das mais ousadas iniciativas da televisão brasileira, estará reunindo o que de melhor o cariri tem em seu universo das artes cênicas.

O Teatro do Complexo Cultural do Araripe - Largo da RFFSA, em Crato, será palco dos testes para escolha de todo o elenco, apoio e figuração, dessa que já é considerada uma das mais festejadas produções da televisão nordestina dos últimos tempos. O horário dos testes serão de 8 da manhã às 6 da tarde com o intervalo do almoço, entre 12 e 14 horas, nos dois dias.

Dessa forma convidamos a todos os atores e atrizes do cariri para estarem participando deste momento único, de onde com certeza sairão os responsáveis por trazer à vida nas telas, os grandes personagens da história de nosso cariri.

Nos dias acima especificados, compareça ao Teatro da RFFSA em Crato, se identifique ao pessoal da Produção e Boa Sorte.



Manoel Severo.



NOTA CARIRI CANGAÇO: Sem dúvidas a realização dos testes para a escolha do elenco da mini-série "Sedição de Juazeiro" acontecendo também e principalmente, em nossa própria região, mostra o compromisso e convicção dos produtores do empreendimento; tendo à frente o amigo Jonasluis da Silva, de Icapuí; e toda a equipe do Diretor Daniel Abreu, em aproximar o máximo a película do verdadeiro sentimento raiz de nosso cariri. O Cariri Cangaço se sente honrado por ser parceiro da "Sedição de Juazeiro"
Nos dias acima especificados, compareça ao Teatro da RFFSA em Crato, se identifique com o pessoal da produção, e... Boa Sorte.
NOTA CARIRI CANGAÇO: O Cariri Cangaço é parceiro da "Sedição de Juazeiro".

quinta-feira, 29 de abril de 2010

AOS MEUS AMIGOS

Anam Cara


Anam Cara é uma expressão celta que significa "Amigo de minha alma" ou "amigo d'alma".

Há duas maneiras de interpretar o Anam Cara:

1. Neste plano fenomênico de manifestação densa, ele é o seu amigo(a) querido(a), aquela pessoa com a qual você poderá contar em qualquer ocasião, mesmo quando todos tiverem voltado as costas para você. E mais: é aquela pessoa à qual você pode abrir o coração com confiança. Quando você pensa nela, algo em seu coração brilha mais. Você sabe que ela existe e está no mesmo plano que você. Sabe que ela é valiosa e que, só de ver você, já sabe como você está, pois ela lhe conhece profundamente, além das aparências. Ela sabe sentir você em espírito.

2. Em outros planos mais sutis, ele é o amparador, aquela consciência extrafísica que lhe ajuda invisivelmente. Ele é aquele que lhe conhece há muitas vidas. Sabe dos seus dramas e de seus acertos ao longo dos milênios. Pode até ter participado dos eventos anteriores junto com você. Porém, no momento ele está em outra condição vibracional. Mas não esqueceu de você!

Muitas vezes, ele mergulha nos planos mais densos para lhe apoiar invisivelmente. Você não percebe sua presença, mas ele vela secretamente pelo seu progresso. Ele não é uma divindade, é apenas o seu amigo invisível, um Anam Cara extrafísico.

O Anam Cara poderá ser o seu filho(a), seu parceiro(a), seu irmão, seu pai, sua mãe, seu parente, ou apenas um amigo que você reconheceu ao longo da vida. Não importa nada disso. O laço real não está na carne nem no sangue, está na alma. Por isso, o Anam Cara independe de idade, raça ou condição.

Você o reconhecerá pelo brilho do olhar, sentirá o seu coração pulsando junto com o seu, sentirá muita saudade dele e reconhecerá a sua riqueza interior. No entanto, muitas vezes o orgulho poderá bloquear tal percepção, e é possível que os seus olhos não o vejam, e que seu coração não o reconheça mais. Então, o coração não falará mais ao coração no silêncio de uma vibração silenciosa trocada no olhar da alma. Haverá apenas o olhar que percebe o convencional, e que se perde nele em meio à dor de tentar achar o Anam Cara aonde ele não está.

Sentir alguém que é um Anam Cara em sua vida, seja ele o irmão, o amigo ou o parceiro, é sentir-se acompanhado na existência por uma alma brilhante. É viajar pelo denso enganoso acompanhado de alguém que também vê algo além... É sentir-se ligado em alma, dentro do coração.

O Anam Cara é seu refúgio dentro da loucura em volta. É o porto que a nave de seu coração gosta de aportar em meio à tempestade. Pense numa canção que lhe fala ao coração. Ao ouvi-la, você lembrará de muitas coisas. O Anam Cara é semelhante à essa música. Quando você lembra dele, o coração viaja...Ele pode ser seu amigo, amparador, irmão ou parceiro. Tanto faz. O que vale mesmo é que ele é uma riqueza que você achou no mundo.

O Anam Cara é isso: um amigo d'alma. Nesse aspecto, o TODO é o amigo d'alma de todos os seres. E como o TODO está em tudo, Ele também está nos amigos d'alma, desse e de outros planos. Pode-se gostar de alguém em vários níveis: mental, emocional, energético ou sexual. Porém, a ligação do Anam Cara transcende esses níveis e chega ao espírito. Por isso, os celtas antigos reverenciavam o conceito de Anam Cara.

Para eles, tratava-se de uma riqueza sem paralelos. E eles sabiam que as ligações que não são em espírito e verdade, são apenas manifestações temporárias e irrisórias ao sabor dos pensamentos, emoções e energias do momento. Para eles, o real sempre foi o espírito eterno, não a bruma que dificulta a percepção.
Por isso, os poetas cantavam:

"Oh, Anam Cara!
Muitos outros vieram, mas só sinto
Tua comunhão sagrada.
Só escuto a tua canção.
Ali está o sol,
Mais tarde virá a lua.
Mas, só me importa a tua canção".

O Anam Cara é isso: uma riqueza sem paralelos. Só o coração é que sabe. Só ele é que sente.
Certa vez, o mestre Bábaji ensinou: "Quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer".

O Anam Cara, seja ele(a) quem for, é um presente da vida ao coração.
Sua ligação não vem da Terra, mas do espírito!

Que as pessoas conscientes possam reconhecer o Anam Cara pelo coração.
PS- texto enviado por Luis Carlos Santos

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Estudantes do Polivalente se preparam para espetáculo "Nós, o estopim"


O espetáculo pretende interagir com o público e fazer uma grande brincadeira popular no dia 27 de maio no Sesc Crato.

Preparação do Espetáculo “Nós, o estopim” movimenta os estudantes da Escola de Ensino Fundamental e Médio Polivalente Gov. Adauto Bezerra no Crato. O Espetáculo reúne diversas linguagens artísticas, como teatro, dança, performance, música, poesia e audiovisual.

O espetáculo será apresentado no dia 27 de maio no Teatro do Sesc Crato e faz parte do projeto desenvolvido pela instituição chamado “Performance Poética e Armazém do Som”.

“Nós, o Estopim” é composto de fragmentos de cenas e acontecimentos em que o público a todo instante é instigado a participar. As poesias engajadas de Rosemberg Cariry, Salete Maria, Patativa do Assaré, Cacá Araujo e Alexandre Lucas narrará o discurso do espetáculo numa mistura entre a linguagem contemporânea, a cultura de massa e as manifestações da tradição popular.

Cerca de 50 estudantes deverão participar da apresentação. A idéia é aproveitar as habilidades dos estudantes. Para participar do espetáculo, os alunos passarão por oficinas de teatro, malabares, dança e produção de máscaras.

O espetáculo conta com a parceria da Companhia Cearense de Teatro Brincante, Coletivo Camaradas, Projeto Nova Vida, EEFM Polivalente Governador Adauto Bezerra Crato, Projeto Nova Vida.

O Chip do Planeta Terra

Luiz Domingos de Luna




Aurora, 28 de Abril,2010
Luiz Domingos de Luna *


Outro dia, fui convidado para participar de uma conferência no meu planeta natal - Aquarius, como de costume, juntamente, com os colegas de sempre, pegamos a nave e embarcamos, depois de uma viagem cansativa chegamos.
O Tema da conferência foi logo exposto, de modo, a iniciar a reunião. Escutamos
O Planeta Terra não precisa de vida para existir, porém insiste em manter ao longo de sua história este sopro vital – Por quê? Um Aquariano bem a frente levantou o braço e disse em voz alta – Simples, a vida na terra dá lucro. O Conferencista coçou a cabeça e perguntou dá lucro! Como assim? O Planeta oferece condições para o surgimento da vida, alimenta bem e, depois ingere toda massa ex-viva, num processo continuo, pois lá, o tempo real existe num ciclo constante.
Um Aquariano, bem ao meu lado, indignado proclamou – Protesto, pois se a terra se alimentasse de toda massa viva que ela mesma produz o planeta seria o maior do universo, e pelo que consta nos autos, é apenas o terceiro na via - láctea, e de pequena significação com relação a sua massa de coesão atômica.
O Plenário choveu de palmas, porém o conferencista detonou – Protesto negado! O colega parte de uma premissa verdadeira para chegar uma conclusão falsa. Como assim?Perguntou o assistente. Se realmente a colega { terra} consumisse, tão somente, a massa viva, com certeza seria a maior do cosmo, porém, está em nossos registros que não é bem assim, pois a massa produzida pela ingestão da conteúdo morto é automaticamente transformada em energia e vendida a outro parceiro, ou seja,100% da energia é vendida, do contrario, o planeta estaria inchado e na realidade ele está é diminuído sua unidade de massa.
E este lucro obtido com a venda de energia é investido em que?
Na compra de enzimas cósmicas para o preparo das lavas vulcânicas e do gás galáctico para a dissolução dos deslocamentos das placas tectônicas.
- Fábrica de futuras vidas de forma diferenciadas



Este investimento serve para nós



-Não



Por quê?



- Um capital muito alto investido em algo de grande risco



Tem certeza?



Não



-Dúvida



Todas



-Mas é assim que a coisa funciona.



( * )Professor – Aurora – Ceará.

Notícias Cariri Cangaço

AURORA CONFIRMA PARCERIA PARA O CARIRI CANGAÇO 2010



O curador do Cariri Cangaço, Manoel Severo, recebeu na tarde deste dia 27, em Fortaleza, a visita do prefeito municipal de Aurora, Dr. Adailton Macedo. Na oportunidade foi consolidada a adesão oficial do município ao Cariri Cangaço, em sua edição 2010 - Coronéis, Beatos e Cangaceiros.
Para o Curador do evento, Manoel Severo "sem dúvida nenhuma a chegada de Aurora em muito enriquecerá o Cariri Cangaço; pela sua história, tradição, e o vasto conjunto de ligação com a temática, notamente a partir dos episódios do Fogo do Taveira, as Minas do Coxá, o Tipi de Marica Macedo, a Ipueiras de Isaias Arruda, enfim; o Cariri Cangaço recebe de braços abertos os parceiros de Aurora, e juntos vamos esforçar para proporcionar um grande evento aos nossos convidados".
Para o Secretário de Cultura de Aurora, professor José Cícero, "estamos contentes pelo município poder contribuir de alguma forma para o estudo e uma releitura da história de Lampião e do cangaço. Aurora jogará um papel de destaque neste contexto de estudo e de análise do movimento pelos sertões caririenses. Além da relação do rei do cangaço e Massilon Leite com o coronel Isaías Arruda e a célebre invasão de Mossoró que foi tramada em Aurora, descambando com a tentativa de envenenamento e cerco de Lampião no sítio Ipueiras, propriedade de Isaías. Para tanto, duas edições da Revista Aurora esteve sendo publicada anos atrás para tratar exclusivamente deste tema." E completou:"Já estava na hora da nossa cidade também participar do Cariri Cangaço, um dos maiores e mais badalados eventos lampiônicos do Brasil".
Nesta próxima sexta-feira os Organizadores do Cariri Cangaço estarão reunidos no município de Aurora com o prefeito Adailton Macedo, com o secretário José Cícero e as respectivas equipes para a formalização da adesão de Aurora ao Cariri Cangaço.
Essa e muitas outras informações você encontra no blog oficial do Cariri Cangaço
cariricangaco.blogspot.com





Produção Cariri Cangaço 2010

terça-feira, 27 de abril de 2010

Com o objetivo de levar arte e cultura para as crianças, adolescentes, mulheres e funcionárias do sistema prisional da cidade de São Paulo, incentivando-as a expor seus sonhos e expectativas, foi promovido em 2005, pelo IDDD, o concurso cultural “O Direito do Olhar”. Realizado dentro das penitenciárias, hospitais de custódia e unidades da Fundação CASA (ex-Febem), o concurso teve como proposta fazer com que as próprias internas, presas e agentes carcerárias trabalhassem em produções artísticas, na valorização da dignidade que a vivência diária no sistema penitenciário lhes diminuiu.




O concurso foi realizado em todos os estabelecimentos prisionais femininos da capital paulista, como o apoio da Bolsa de Arte do Rio de Janeiro e da Fundação Conrado Wessel. O número total de presas era de aproximadamente 3.700 e, desse total, 680 mulheres, crianças e adolescentes inscreveram-se espontaneamente para participar. Entre as inscritas foram selecionadas 120 participantes em cada categoria, somando 360. Além delas, duas funcionárias de cada estabelecimento podiam concorrer em cada modalidade artística.



Esse exercício de cidadania foi todo documentado e revelado nas páginas do livro O Direto do Olhar – Publicar para Replicar, que será lançado no próximo dia 28 de abril, às 10h30, no Lions Nightclub. O evento, além de celebrar o sucesso do projeto, propondo a sua continuação, comemora os 10 anos do Instituto de Defesa do Direito de Defesa.



A obra reúne todo desenvolvimento do concurso, tendo como resultado: poemas, contos, desenhos e fotografias, dentre esses, os que foram contemplados com prêmios e menções honrosas e, depois, selecionados para uma exposição. O projeto do livro foi contemplado pelo processo de seleção pública do Programa Petrobras Cultural, no segmento de Educação para as Artes, que entre seus objetivos visa desenvolver, através dos fazeres artísticos, a capacidade criadora e a noção de pertencimento à sociedade.



O Direto do Olhar – Publicar para Replicar tem a intenção de divulgar todo o processo de montagem do concurso para que ele possa ser replicado em outros locais – outros estados brasileiros, e até mesmo em outros países –, de modo a beneficiar as comunidades que se disponham a empreender o caminho retratado, um meio de re-humanização de pessoas submetidas às condições do cárcere, sejam como internas, sejam como funcionárias do sistema. O livro é um exercício de valorização da dignidade da pessoa humana e da cidadania, que refletiu diretamente no comportamento desses indivíduos na sua relação com a sociedade.



A publicação traz textos de Flávia Rahal e Luís Guilherme Vieira, respectivamente, presidente e diretor cultural do IDDD. O prefácio é do cantor, compositor e ex-ministro da Cultura Gilberto Gil e o posfácio é de Márcio Thomaz Bastos, advogado criminal, ex-ministro da Justiça e idealizador do IDDD.
Os depoimentos de alguns dos jurados envolvidos em cada categoria também estão contemplados na obra e abordam um pouco da experiência e da opinião de cada um deles: Ricardo Ohtake (Instituto Tomie Ohtake), Noélia Coutinho (Projeto Portinari), jurados de desenho; Drauzio Varella (médico e escritor) e a jornalista Marina Amaral, jurados de literatura; Eduardo Muylaert (advogado e fotógrafo) e Iatã Cannabrava (fotógrafo), jurados de fotografia.
O projeto “O Direito do Olhar” recebeu, em 2005, moção de aplauso e congratulação do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária do Ministério da Justiça e menção honrosa do “Prêmio Betinho – Cidadania e Democracia”.
O Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP), foi fundado em julho de 2000 por um grupo de advogados dedicados, em sua maioria, ao direito criminal com o objetivo claro de fortalecer o direito de defesa e o respeito aos direitos individuais.



Segundo Flávia Rahal, presidente do IDDD, o instituto surgiu com a convicção de seus fundadores de que esforços coletivos na proteção do direito de defesa e do próprio Estado democrático de direito teriam maior impacto tanto no sistema de justiça, como na própria sociedade. “E é assim, atuando em favor de quem não pode, manifestando-se todas às vezes nas quais o direito de defesa apareça violentado e construindo projetos que interferiam na realidade que o instituto cumpre seu papel”, destaca.
Para Luís Guilherme Vieira, diretor cultural do IDDD, o princípio da dignidade da pessoa humana não é privilégio reservado àqueles que vivem soltos. Além disso, “crime não é aquele cancro que só dá no vizinho. Ele ocorre em nossos lares. Imaginar diferente é não atuar como cidadão. É aguardar sentado que ele nos fira diretamente, para que tenhamos, aí, motivos para espernear”.
As atividades do IDDD demonstram a importância do Direito de Defesa para a formação de uma sociedade mais fraterna e equânime. Por meio de mutirões (visitas de advogados a estabelecimentos prisionais para examinar os prontuários de presas e presos e verificar a possibilidade de correção de eventuais ilegalidades), de ações de assistência judiciária gratuita, de pesquisas e da divulgação de seus ideais, busca-se fomentar uma discussão positiva em torno do Direito de Defesa, que, no mais das vezes, ganha apenas o papel de coadjuvante, quando não o de vilão, nas peças encenadas pelos demais atores do sistema judiciário (Polícia, Ministério Público e Magistratura).
Erika Allexandra Balbino



011 3482-2510



www.baobacomunicacao.com.br

domingo, 25 de abril de 2010

Sobre o Abriu pra juventude!

por: Janinha

Mais um brilhante evento realizado pela secretaria de cultura do Crato: Abriu pra juventude! Dando oportunidade, abrindo espaços para novos talentos da região do Cariri, estimulando a apreciação da arte, música, conscientizando através de palestras explicativas e elucidativas a realidade do  crack, e drogas no geral, dando acesso  gratuito a  peças teatrais.
Espero, como amante apaixonada da cultura de nossa cidade, que haja mais organização na realização desses eventos, sabemos do empenho de todos que trabalham para que essas movimentações aconteçam, do destaque desse secretariado no empenho de "fazer acontecer", mas fica a minha observação em relação à segurança, pois no encerramento do evento houve tiros e tumulto, e nenhum apoio policial adequado, uma festa que reúne pessoas jovens, crianças, idosos, precisa ter mais segurança.
Uma falta notória de banheiros químicos, fazendo com que as pessoas sujassem a cidade.
Que haja cada vez mais eventos e que a cada ano possamos nos profissionalizar, para atrairmos com dignidade, turismo e proporcionemos de fato educação para a nova geração que queremos formar!

Amigos da ACF

É somente para avisa-los da nossa proxima reunião que será agora dia 28 de abril, as 19h no auditório da RFFSA. Lembrando ainda que no dia 29 será o evento do SESC, o Seminário Negócios da Música, um evento super importante para todos que estão envolvidos no mundo da música. Então marquemos presença nesses dois eventos super importantes para nós.
Qualquer coisa veja o site: www.culturasebrae.wordpress.com 

valeu, abraço e sucesso sempre.

--
Kaika Luiz
Sertão Pop Produções e Publicidade
(88) 3521.6604
(88) 8816.3062
(88) 9931.2138
MSN: kaikaluiz@hotmail.com
SKYPE: kaikaluiz
www.sertaopop.blogspot.com

sábado, 24 de abril de 2010

GRAVAÇÃO DO DVD DO SANFONEIRO CRATENSE OSWALDINHO


O sanfoneiro cratense OSWALDINHO DO CEARÁ, estará gravando o seu 1º DVD.

Você está sendo convidado.

DIA: nesta segunda-feira, dia 26 de abril de 2010.
HORA: a partir das 21:0 hs.
LOCAL: no PIRATA BAR, à Rua dos Tabajaras 325, Praia de Iracema, em Fortaleza-CEARÁ.

OBS - Os sócios da AFAC terão entrada franca. Basta se identificar na portaria como "Sócio da AFAC"  ou "Convidado de Oswaldinho".

Notícias da ACF

Prezados Amigos da ACF

No próximo domingo, dia 25 de abril, no programa do Egídio Serpa, na Tv Diário, vai haver uma entrevista bem bacana com o presidente da ACF - Valtinho e com a participação do sanfoneiro Adelson Viana.
Vale a pena conferir e passar pra frente pra outras pessoas verem..

Aquele abraço, sucesso sempre.
--
Kaika Luiz
Sertão Pop Produções e Publicidade
(88) 3521.6604
(88) 8816.3062
(88) 9931.2138
MSN: kaikaluiz@hotmail.com
SKYPE: kaikaluiz
www.sertaopop.blogspot.com

quinta-feira, 22 de abril de 2010

A experiência e a juventude de um dos trios de forró pé-de-serra mais empolgantes do Brasil



Criado há 10 anos, o Trio Araripe carrega as origens nordestinas na história de seus integrantes, no som e no próprio nome. O título do grupo, aliás, é motivo de orgulho por tratar-se de uma homenagem à região onde o grande Rei do Baião, Luiz Gonzaga, nasceu. Mais orgulhoso ainda fica Tiziu, o criador, trianguleiro e vocalista do trio, que é praticamente conterrâneo do velho Gonzagão, pois nasceu em Iguatú-CE, ali bem próximo da serra do Araripe, de onde partiu toda a história do legítimo forró nordestino.

Experiência é o que não falta a Tiziu, que tem em seu nome mais de 200 composições gravadas. Aos 15 anos de idade, já dava os primeiros passos no meio musical em Fortaleza, Ceará. Em 1976, criou o Trio Nortista, com o qual ficou 12 anos, e depois seguiu em carreira solo. Quando foi para São Paulo, em 1985, chegou a cantar no primeiro salão de forró do sudeste e participou de trabalhos com Carmélia Alves – a Rainha do Baião -, Martinho da Vila e, claro, Luiz Gonzaga. Em 1998, reuniu-se com o amigo Cicinho Alves e montou o Trio Araripe, que mais tarde teve Chiquinho como sanfoneiro.

Para tocar a zabumba, Tiziu convidou alguém também cheio de energia nordestina, Zé Neto. Nascido em Alagoas (terra de Mestre Zinho), ele herdou o talento do pai, cantor, compositor e sanfoneiro, Benício Guimarães, e foi mostrar o que sabia em São Paulo, com 12 anos. Em seu currículo, Zé Neto traz participações ao lado de Jackson Antunes, Marinês, Anastácia, Cilene Araújo e Israel Filho. Enquanto Tiziu e Zé Neto carregam a experiência na bagagem, Clayton Gama não precisou de muito tempo para provar que é um dos maiores sanfoneiros da nova geração.

Aos 20 anos, o paulistano filho de pernambucano já está há oito tocando forró e há quatro no Trio Araripe. Sua juventude e seu talento contagiam o público e os companheiros do grupo, que, juntos, carregam todas as características que um autêntico trio de forró pé-de-serra deve ter: talento, experiência e alegria. No repertório do grupo, além de composições próprias, há músicas de Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Mestre Zinho, Marinês e outros. Canções como "Forró Pesado", "O Fole Roncou" e "Vamos Xamegar" não ficam de fora dos shows.

Proseando na sombra do juazeiro



Nessa vida viajante
Declamando poesia
Num lugarzinho distante
Eu cheguei um certo dia
Para uma apresentação
E antes da preparação
Do palco pra brincadeira
Eu saí perambulando
Pela rua observando
O movimento da feira

A feira era pequenina
Como todas do sertão
Porém olhei pra uma esquina
Que me chamou atenção
Onde um branco incrementado
Estava ali instalado
Cheio de mercadoria
E assim com muita classe
De tudo que procurasse
Naquele banco vendia

Eu fui perto observar
Pra fazer a descrição
E também examinar
Pra que tivesse noção
De todo esse disparate
No banco tinha: alicate
Prego, martelo, ponteira
Pinhão, bodoque, chocalho
Pimenta do reino, alho
Foice, enxada e baladeira

Tinha corda de laçar
Espora, sela, gibão
Pote, gamela, alguedar
Machado, ancinho, facão
Sapólio pra lavar prato
Tinha veneno pra rato
Chicote e chapéu de couro
Feijão de corda, pimenta
Hóstia, terço e água benta
Anel e cordão de ouro

Vassoura, cabo de enxada
Caco pra torrar café
Rapadura, arroz, cocada
Rosário de catolé
Roupas de mescla ou de linho
Gaiola pra passarinho
Bucha e barra de sabão
Cavalo de pau, carrinho
Urupema, cana, vinho
Cangalha e carro de mão

Chá de toda qualidade
Para curar qualquer mau
E nessa variedade
Tempero, colher de pau
Remédio para coceira
Babosa erva cidreira
Erva doce e capim santo
Estando contaminado
Tinha oração pra olhado
Pra feitiço e pra quebranto

Vi ralo pra ralar milho
Balaio e caçuá
Goma pra fazer sequilho
Tapioca, mungunzá
Broa, bolacha, banana
Garapa, caldo de cana
Gergelim e grão-de-bico
Blusa, sutiã, calcinha
Cueca, calça, tanguinha
Absorvente e pinico

Tinha loção pra cabelo
Pente, ataca e marrafa
Suco com raspa de gelo
Anzol, jereré, tarrafa
Remédio pra dor de dente
E mordida de serpente
Se acaso fosse atacada
A vaca a cabra ou a galinha
Lá no banco também tinha
Uma corrêa curada

Porém eu fiquei pasmado
E vou relatar o assunto
Quando alguém disse: Seu Nado
Vende caixão de defunto??
Ele disse, não vendia
Mas depende da quantia
Que eu resolvo isso ligeiro
E se o seu caso é urgente
Eu irei rapidamente
Contratar um marceneiro

Daquele dia em diante
Seu Nado firmou contrato
Com o marceneiro, e garante
Não faltar esse artefato
Pra comercializar
Se acaso alguém precisar
Dessa mala de madeira
Pra partir pra eternidade
Vai encontrar na verdade
Naquele banco de feira


Publicado por Luiz Berto em PROSEANDO NA SOMBRA DO JUAZEIRO - Carlos Aires
Fonte: Jornal da Besta Fubana
A semana do Dia “D” da Dança é uma realização do CCBNB Cariri e Associação Dança Cariri
através do Projeto Capacitando e Dançando a Cena do Cariri no Programa ENCONTROS DA DANÇA,
contemplado no Programa BNB de Cultura - Edição 2010 – Parceiras BNDES.

O Dia Internacional da Dança vem sendo celebrado no dia 29 de abril e foi introduzida em 1982
pelo Comitê Internacional da Dança da UNESCO. Esta data nos remete a uma reflexão para
a produção da dança, o ensino e a difusão. Bem como, as batalhas enfrentadas e as conquistas da classe artística da dança.
A data comemora também o nascimento de Jean-Georges Noverre (1727-1810),o criador do balé moderno.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Superproteção - Um Castigo.


Luiz Domingos de Luna*

Os adolescentes, ao tempo da ditadura militar, sonhavam com a liberdade como um instrumento de auto-afirmação na família, nas comunidades e na sociedade como um todo. Pois, apesar do regime de exceção, a alma do espírito democrático a rondar o inconsciente ou "consciente maturativo". De que algo no espaço social, político precisava ser mudado. Este eixo espiritual não foi destruído pela força de dominação do militares à época.

A noção de mudança, sempre presente no tecido sociológico brasileiro, a inquietação grassava desde as camadas sociais mais baixas às mais altas – Elites.

O espírito mudancista marcado no meio social em todas as suas arestas, em proporções e intensidades constantes, como uma massa pensamental uniforme e invisível a incomodar o regime de opressão – Uma permanente inquietação.

A entrada no regime democrático um sonho realizado de um povo que não acostomou-se com a mordaça.

A mancha negra do regime de exceção não pode e nem deve ser um trauma para superproteção de crianças, adolescentes, ou mesmo adultos, por algo que não pertence mais ao mundo deles, pois, o relativismo político do estado brasileiro foi incorporado ao Estado Democrático de Direito.

Ao se propalar a superproteção às novas gerações, que vivem a liberdade, ideal sonhado pela anterior, está se criando um grande paradoxo, pois a própria liberdade almejada pela geração anterior não pode ser utilizada como ferramenta egoista, vez que, os pais passam a controlar os passos de seus filhos de forma intensiva, coercitiva desde o nascimento, formando assim, não filhos reais, mais filhos ideais, modelos, referências, projetos, tudo, menos,uma vida autônoma e soberana no espaço tempo.

A vida não pode ser um projeto de vida que não deu certo em um ideal sonhado por outrem, visto cada um, ser único, especial e total. Educação, orientação, sim, porém superproteção nunca, pois a superproteção é apenas um castigo disfarçado.
* Professor – Aurora – Ceará.
* Colaborador do Blog Cultura no Cariri

A Tomada do Crato

Procura-se o Livro:
"A Tomada do Crato"
do escritor Livino Carvalho.
Qualquer informação,
agradecemos.

Produção Cariri Cangaço
cariricangaco.blogspot.com

Manoel Sevcro

terça-feira, 20 de abril de 2010

Prêmio Cultura Viva 2010

Abertas as inscrições para a terceira edição da premiação, que terá como tema 'Cultura e Comunicação'
Divulgado o lançamento do Prêmio Cultura Viva 2010, promovido pelo Ministério da Cultura, por meio da Secretaria de Cidadania Cultural (SCC/MinC), com patrocínio da Petrobras e coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec).
Em sua terceria edição, a premiação terá como tema Cultura e Comunicação e destacará 12 iniciativas culturais desenvolvidas por Gestores Públicos, Grupos Informais, Organizações da Sociedade Civil e Pontos de Cultura. Os vencedores nas quatro categorias receberão R$ 40 mil, R$ 25 mil e R$ 15 mil, respectivamente para os três primeiros colocados.
A partir desta segunda-feira, 19 de abril, até 31 de maio, as instituições interessadas em concorrer têm prazo para inscrever suas ações comunicativas com conteúdos culturais. Informações, Regulamento e Ficha de Inscrição estão disponíveis no site www.premioculturaviva.org.br.

Dia Nacional do Índio


Ministro Juca Ferreira integra comitiva presidencial em visita à Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima

Como parte das celebrações ao Dia do Índio, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, fez uma visita à Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, nesta segunda-feira, 19 de abril. A comitiva presidencial, que foi integrada pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, esteve na Comunidade de Maturuca, onde um grupo de lideranças indígenas de diferentes etnias se reuniu para recepcionar as autoridades.
O presidente Lula destacou, em seu pronunciamento durante a cerimônia, que a luta dos índios por terra nunca reivindicou nada que não fosse realmente deles. “Nós não conhecemos, na história, nenhum momento em que uma nação indígena invadiu a terra de outro para tomar conta. Pelo contrário, o que acontece, normalmente, são os outros invadirem as terras indígenas, tentando se apossar de uma terra que não é deles.”
Ainda quanto à homologação definitiva da demarcação contínua das terras da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, Lula também ressaltou que a área não poderia ser dividida em ilhas: “Ela é a grande terra-mãe de todos os povos que aqui vivem desde o início dos tempos, os netos de Makunaimî.”

Valorização das Culturas Indígenas
Por meio de ações da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural, o Ministério da Cultura tem atuado junto aos povos indígenas e, no âmbito do Programa Mais Cultura, que integra a Agenda Social do Governo Federal, apoiou a criação de 30 Pontos de Cultura Indígenas (PCIs). Até o final deste ano, a previsão é de implantar mais 165 espaços, com investimentos de R$ 27 milhões.
As comunidades indígenas já contempladas com a instalação de PCIs receberam kit multimídia, capacitação em cultura digital e produção audiovisual para viabilizar o desenvolvimento de conteúdos audiovisuais, rádios comunitárias, projetos de valorização das culturas e preservação da língua, além de acesso à Internet. Leia mais: Pontos de Cultura Indígena marcam presença na TEIA 2010 e elaboram propostas e Representantes do MinC reúnem-se com lideranças indígenas na Raposa Serra do Sol.
Apoio à Demarcação
Em 2008 e 2009, o ministro Juca Ferreira e outros dirigentes do MinC acompanharam de perto o julgamento no Supremo Tribunal Federal sobre a demarcação contínua das terras da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol. O tema, relevante para a identidade e diversidade cultural brasileira, trata do direito dos índios de viverem nas terras que tradicionalmente ocupam e que estão relacionadas às suas próprias culturas.
“Quem conhece a questão indígena no Brasil sabe que o rompimento da integridade territorial implica a morte do modo de vida e, portanto, da cultura e do modo de ser do índio”, afirmou o ministro Juca Ferreira em um dos artigos no qual defendia a demarcação das terras da reserva. Leia mais: Terra, Território e Diversidade Cultural e Aos Ministros do STF.

Seminário Negócios da Música

O Sebrae Ceará e parceiros promovem nos dias 28 e 29 deste mês o Seminário Negócios da Música que acontecerá nos municípios de Sobral e Crato. O seminário tem como objetivo discutir com músicos, produtores culturais e demais pessoas interessadas, novos caminhos para empreender na área da música.
Serão abordados no seminário, dentre outros temas: exportação da música brasileira, novas formas de associativismo, o avanço da profissionalização do setor e o case do projeto Brazil Central Music conduzido pelo Sebrae de Goiás e parceiros.
No dia 28, quarta-feira, o seminário ocorre em Sobral, no Teatro São João e faz parte de uma programação maior de eventos sobre música, educação e negócios, realizada pela Em Pauta Produções e Eventos com os parceiros locais. No município do Crato o evento acontecerá no Teatro Salviano Arraes, Centro. As inscrições podem ser feitas na Escola de Música de Sobral e nos escritórios do Sebrae ou através da internet no blog Cultura Sebrae  http://culturasebrae.wordpress.com

ALGUÉM AQUI É SUPERSTICIOSO ?


Do latim. superstitione. 
O Dicionário Aurélio define superstição da seguinte maneira:

1. Sentimento religioso baseado no temor ou na ignorância, e que induz ao conhecimento de falsos deveres, ao receio de coisas fantásticas e à confiança em coisas ineficazes; crendice.

2. Crença em presságios tirados de fatos puramente fortuitos.
3. Apego exagerado e/ou infundado a qualquer coisa

Quem é que nunca entrou em um casa nova com o pé direito ou não bateu na madeira para isolar o azar? Algumas supertições já fazem parte do dia-a-dia das pessoas.
É comum ouvir que nós, brasileiros, somos um povo muito supersticioso, talvez seja por sermos um povo mestiço: a cultura indígena com o espiritismo africano, misturado a práticas supersticiosas católicas, moldaram esses 500 anos de crendices brasileiras.
Você sabe o que isso significa? 
Uma pessoa supersticiosa possui apego infundado a qualquer coisa que lhe dizem, crê em fatos sem fundamento real, segue conselhos que nascem da crendice popular. É algo que passa de avós para netos, entre amigos, de geração a geração, é a chamada história oral.
Portanto, a explicação para isso se encontra dentro da psiqué de cada um de nós, das nossas experiências de vida.
Se algum dia alguma pessoa fez algo que deu certo e ela começa a atribuir isso à sorte: é o técnico de futebol que usa sempre a mesma camisa em jogos decisivos; é aquela pessoa que sempre usa a mesma caneta para fazer uma prova ou ainda aquele outro cidadão que sai com uma mesma medalhinha que lhe serve de talismã na hora de viajar - ela passa a atribuir ao amuleto a certeza de que aquilo está funcionando e isso funciona psicologicamente muito bem.
Vejamos abaixo algumas superstições bastante conhecidas e avalie você mesmo o quanto é supersticioso ou não.

 . Cruzar com gato preto na rua dá azar.
. Jogar sabão para Santa Clara faz parar de chover.
. Chinelo ou sapato com a sola virada para cima, o pai ou a mãe podem morrer.
. Sol com chuva, casamento de viúva.
. Quem não fica feliz por achar um trevo de quatro folhas? Opa, é sorte garantida para todo o dia.
. É sempre bom ter uma pimenteira dentro de casa, evita o mal olhado.
. Apontar estrela com o dedo faz nascer verruga.
. Mulher que tem o segundo dedo do pé maior que o primeiro, manda no marido.
. Cortar cabelo na sexta-feira Santa
não cresce mais.
 . A maneira mais eficiente de encontrar algo que desapareceu é dar três pulinhos para São Longuinho.
. Para dispensar uma visita chata, é só deixar uma vassoura de cabeça para baixo atrás da porta. 
 .Crianças que montarem em vassouras serão infelizes. 
 . Varrer a casa à noite expulsa a tranqüilidade
. Sexta-feira 13 é dia de azar e do lobisomem.
. Agosto é mês do desgosto .
. Assobiar à noite chama cobra.
. Se você colocar a meia do avesso, não se preocupe: sinal de que uma boa notícia está para chegar. 
. Comer manga com leite faz mal.
. Jogar sal no fogo espanta o azar.
 . Se sua orelha esquentar de repente, é porque alguém está falando mal de você. Nesse caso, vá dizendo o nome dos suspeitos até a orelha parar de arder. Para aumentar a eficiência do contra-ataque, morda o dedo mínimo da mão esquerda: o sujeito irá morder a própria língua.
. A pessoa que é pulada não cresce mais.
. O número 7 é o número da mentira.
 . Dentro de casa, o guarda-chuva deve ficar sempre fechadinho. Segundo uma tradição, abri-lo dentro de casa traz infortúnios e problemas aos familiares.

. Quem passa debaixo do arco-íris vira de sexo.
 . Aranhas, grilos e lagartixas representam boa sorte para o lar. Matar uma aranha pode causar infelicidade no amor.

Quem come banana à noite, passa mal.
 . Deixar um copo de vidro cheio de sal grosso no canto da sala, traz sorte.
 . Se tivermos um gato e formos mudar de casa, é bom passar manteiga em suas patinhas, para que ele não volte para a casa antiga.
 . Ver uma borboleta amarela voando, traz sorte para o dia.
. Três velas ou três lâmpadas acesas em um mesmo quarto podem ser prenúncio de morte. . Acender três cigarros com um mesmo palito de fósforo também significa perigo. 
. Quem canta na quaresma vira mula - de - padre.
 .Na hora de acordar, abra os dois olhos ao mesmo tempo para ver tudo com clareza e não ser enganado por ninguém. Ao levantar, procure dar o primeiro passo com o pé direito para atrair boa sorte e felicidade. 
 .  Faça um desejo ao cortar a primeira fatia de seu bolo de aniversário. 
Ponha um caroço de melancia na testa e, antes que ele caia, faça um desejo. Jogue uma moeda numa fonte. Só faça um desejo quando a água parar de se movimentar e você enxergar o seu reflexo. Os gregos atiravam moedas em seus poços para que estes nunca secassem. 
. É bom fazer um desejo ao usar um sapato novo pela primeira vez. 
  . Devemos sair de casa e entrar em qualquer lugar, sempre com o pé direito, para evitar o azar.
 . Sua mão esquerda está coçando? Então, prepare-se para receber um bom dinheiro extra. Se por acaso a mão que estiver coçando for a direita, tome cuidado: é provável que perca uma grande quantia. 
 . Coceira na sola do pé significa viagem ao exterior. 
 . Ter um elefante de enfeite  sobre um móvel qualquer, sempre com a tromba erguida mas de costas para a porta de entrada, evita a falta de dinheiro. 
 . Uma figura que garante carteira cheia é o Buda. Ele deve ficar em cima da geladeira, sobre um prato cheio de moedas.
 . Viu uma estrela cadente? Faça um pedido rápido, porque, segundo a crença, é garantia de que ele vai se realizar.
 . Quem comer muito à noite tem pesadelos.
. Passar debaixo da escada é má sorte.
. Quebrar um espelho, dá sete anos de azar.
. Colocar bolsa no chão faz o dinheiro acabar.
 Existem algumas crenças para tentar adivinhar: pedir a futura mamãe que mostre a mão uma delas. Se ela estender com a palma para baixo, será menino. Se a palma estiver para cima, nascerá uma menina. Isso sem contar com a linguagem do ventre: se for pontudo e saliente, sinal de que um menino está para chegar. Arredondado e crescendo para os lados? Menina à vista.
São tantas, cada uma mais curiosa do que a outra. Uma delas é a tradição de jogar arroz nos noivos. Ela teria começado na China há 2.000 anos. O arroz, na cultura chinesa, significa fartura. Por isso, se o casal se casa com uma chuva de arroz, ele nunca vai passar necessidades. Isso nasceu de um chinês muito rico na época que resolveu fazer o casamento da filha debaixo de uma chuva de arroz e as pessoas passaram a fazer igual.

 Ufa ! Cansei.
São tantas, difícil de lembrar.
Se você conhece alguma, então aumente a lista.

Eu confesso que a história  do chinelo virado me acompanha até os dias de hoje.
Mas quem não tem medo de perder os seus pais ?

Fonte: O Guia dos Curiosos.
(Desconheço a autoria das fotos publicadas acima)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Notícias do Cariri Cangaço!

Caros amigos e Confrades,




Para nossa satisfação estamos postando no cariricangaco.blogspot.com a homenagem que o grande médico e memorialista Napoleão Tavares Neves. O renomado e respeitado médico-historiador foi agraciado no último dia 26 de março com a Comenda Nossa Senhora da Conceição, outorgada pela Câmara Municipal da cidade de Porteiras. Napoleão Tavares Neves nasceu na cidade de Jardim, mas foi criado no Engenho Saco, localizado em Porteiras. A comenda foi-lhe concedida em reconhecimento pela divulgação que o conhecido escritor caririense vem fazendo da história e da cultura daquele município.



Porteiras é um dos anfitriões do Cariri Cangaço, ali se localizam as Fazendas Piçarra, de Antônio da Piçarra e Guaribas de Chico Chicote.



O Cariri Cangaço se une ao município de Porteiras e a todo Cariri nas homenagens e no reconhecimento a este grande médico e grande amigo, Napoleão Tavares Neves.



Veja mais no cariricangaco.blogspot.com: Cariri Cangaco firma colaboração à Mini-série Sedição de Juazeiro; Lagoa do Mel enfim Revelada, por João de Sousa Lima; O novo Livro do escritor Waldemar Junior e o coronel Veremundo Soares, a última reunião da SBEC em Fortaleza, muito mais!



Visite, comente, entre! A casa é sua.



cariricangaco.blogspot.com



Manoel Severo.

Calar e Queimar por dentro é o pior Castigo que a gente pode se impor !

ùltImo FInal de semana Bodas de Sangue

Sab 20h DoM 17HORAS

SESC Juazeiro

R$ 3,00

Peça de Frederico García Lorca

sobre o desejo trancado e uma noiva que foge no dia do casamento.

Reggae raiz!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Poesia

O vento inquieta o fogo
Tardes coloridas
Poesia posta na face
Um sorriso verde e amarelo
Beijos vermelhos
Abrigo branco
Cores tecidas
Em confidentes prazeres
Assim pousa a noite
No aguardo do amanhecer
Que antecipa o tempo quente
Que rutila o olhar.

Alexandre Lucas

UM BRASIL DE VIOLA

Projeto Um Brasil de Viola




Já está no ar o Blog do Projeto UM BRASIL DE VIOLA – Tradições e Modernidades da Viola Caipira - www.umbrasildeviola.blogspot.com - , coordenado pelo violeiro e produtor Cacai Nunes, que também é responsável pelo blog Acervo Origens.



O Projeto tem como missão retratar o Brasil que toca Viola Caipira. O sertão, a cidade. O Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e o Sul. A equipe está visitando várias regiões do país a fim de registrar e documentar mestres, aprendizes, estudiosos que perpetuam a arte de pontear este belo instrumento musical. Desse modo, servirá como ponto de encontro virtual, onde mestres e aprendizes poderão trocar conhecimentos, fortalecendo a comunidade de violeiros que se encontra espalhada pelo território brasileiro.



Além disso, o Blog disponibiliza informações sobre antigas tradições do instrumento, a magia que o envolve, sua ligação com o homem e a natureza, as formas rústicas e artesanais de construção, seus mestres, a tradição oral no sertão brasileiro. Tudo isto, correlacionando com um novo jeito de tocar viola, com instrumentistas que se destacam por composições contemporâneas, professores violeiros que ensinam em Escolas de Música e modernas formas de lutheria (fabricação de instrumento com mais requinte).

fonte:http://culturanordestina.blogspot.com/

No blog, vocês podem assistir a vídeos com depoimentos, toques tradicionais, músicas, entrevistas com mestres do sertão, professores, músicos, alunos que fazem do instrumento a sua maior forma de expressão.



Podem também fazer download de músicas executadas pelos violeiros registrados. Todo material está sendo devidamente catalogado e aos poucos sendo disponibilizado no Blog http://www.umbrasildeviola.blogspot.com/ que servirá de Diário do Projeto, permitindo comentários de visitantes e estabelecendo uma interatividade contínua durante a execução do Projeto.



Este projeto foi contemplado pela Bolsa Funarte de Produção Crítica sobre as Interfaces dos Conteúdos Artísticos e Culturas Populares.

Uma vida escrita na madeira

Enviado por: Luiz Domingos de Luna
Praça do Cristo Redentor, ponto dos ônibus que fazem a linha Crato – Juazeiro, debaixo dos pés de fícus benjamins. Os “velhos” se reúnem para jogar dominó. Walderêdo, Gonçalves muitas vezes, passa por lá. Antes, poderia também estar na livraria de seu Ramiro Maia, à Rua Senador Pompeu, que fechou, depois de quase setenta anos de atividades. O Mais certo é pegar um mototáxi e subir a ladeira íngreme da Caixa d água, onde ele mora à rua Zabulon, 100. Aos oitenta e quatro completos, este grande nome da gravura brasileira, de todos os tempos, que gosta de receber, é sempre atencioso e conversa muito, revolvendo histórias do arco –da –velha, merece, como poucos, ser chamado de mestre.


Walderêdo nasceu no dia 19 de abril de 1920, na rua da Boa Vista, que hoje se chama Nélson Alencar, na cidade do Crato. Dizem que o Milfont, de seu pai José Gonçalves, que a mãe Maria Emília Oliveira herdou, por força de lei, veio de um ancestral Louis Charles, fugitivo da revolução Francesa, de 1789, que teria se radicado no Brasil (...)
Walderêdo aconteceu, no início dos anos 60, quando a faculdade do Filosofia do Crato fez uma tiragem de pranchas de sua autoria. Em 1962, Sérvulo Esmeraldo e Lívio Xavier, emissários d Museu de Arte da Universidade do Ceará ( MAUC), fundado no ano anterior, foram ao cariri comprar tacos para o acervo da instituição e aproveitaram para encomendar álbuns, como a “ Via Sacra”, de Mestre Noza: “ A vida do Padre Cícero”, de Lino da Silva:; “As aventuras do Caboclo Vira – Mundo” de José Caboclo e o “ Apocalipse”, do Walderêdo(...)



O MAUC, além das matrizes do “Apocalipse” tem uma de cenas populares do Cariri (engenho de pau, aviamento, maneiro pau. O vaqueiro. Penitentes) e gravuras soltas. Capas de folhetos, cortadas, por ele. Tornaram-se referências, como “A morte dos doze pares de França, “Juvenal e do Dragão” e Antonio Silvino no júri-debate de seu advogado. O Dr. José Macário de Brito, do Crato, encomendou uma “via Sacra”, mas esconde as matrizes, não deixa tirar cópias, “ele diz que só vai abrir o cofre quando eu morrer”...)



A Idéia que fica é de alguém que poderia ter ido muito longe além, se tivéssemos tido, desde a criação da Secretaria da Cultura, em 1966, políticas que valorizassem a tradição como ponto de partida para o contemporâneo. Temos as pranchas do “Apocalipse”. Versão matuta de Jean Duvet ou de Gustave Doré, iluminuras sertanejas, clássicas, sem que ele tenha se deixado contaminar pela pressa das encomendas, vencendo os desafios com paciência, determinação e a marca do gênio. É isto tudo que faz de Walderêdo Gonçalves o grande nome da Xilogravura. Os outros, diante dele, são aprendizes.



Carvalho, Gilmar de



Artes da Tradição: mestres do povo / Gilmar de Carvalho; fotos de Francisco Sousa – Fortaleza: Expressão Gráfica/ Laboratório de Estudos da Oralidade UFC /UECE,2005 269P.;Il ISBN:
Horário: 12 abril 2010 às 8:00 a 16 abril 2010 às 20:00

Local: www.cev.urca.br

Organizado por: Kaika Luiz
Descrição do evento:

O processo de seleção 2010 será formado, exclusivamente, por educadores que atuam na educação básica em escolas públicas do campo e outros profissinais com atividades de educação (professores, gestores, monitores, instrutores e coordenadores pedagógicos) com atuação em escolas situadas nas áreas rurais ou projetos sociais vinculados à educação do campo, que preferencialmente, não possuem curso de nível superior completo.



INSCRIÇÕES GRATUITAS


vestibular@urca.br
Ver mais detalhes e RSVP em VAMOS NESSA CARIRI:

http://vamosnessacariri.ning.com/events/event/show?id=5458950%3AEvent%3A205&xgi=4Xof9tYgwSCjBi&xg_source=msg_invite_event

Notícias Cariri Cangaço!

Caros Amigos e Confrades;


É uma satisfação renovada entrar em contato com os amigos.
Antes mesmo de agosto chegar, quando reuniremos a grande família no Cariri Cangaço 2010 - Coronéis, Beatos e Cangaceiros; nossa região estará acolhendo no mês de junho, outro grande fórum de debates sobre História e Cultura do Nordeste é o XII Encontro Estadual de História; uma promoção da ANPUH, Associação Nacional de História e da URCA - Universidade Regional do Cariri.Quando o Cariri receberá universitários de toda região numa grande festa onde teremos, Conferencias, Debates, Visitas e muito mais.
Essa e outras informações, e as novidades do Cariri Cangaço 2010, no blog oficial do evento:
cariricangaço.blogspot.com
Visite, entre, comente, as casa é sua!

Abraço Fraterno,
Manoel Severo

Abriu pra juventude

ARMAZÉM DO SOM & PERFORMANCE POÉTICA:




- SOL NA MACAMBIRA
A banda caririense Sol na Macambira traz em suas canções toda a mistura da música nordestina, que transita entre o clima de essência armorial e o mais forte sotaque cabaçal. Encanta com os pífanos, rabecas e tambores, ritmados pelas batidas do maracatu, levada das cirandas e calor do baião, xote e xaxado. E faz de suas canções um instrumento de estudo, divulgação e crítica a exploração do homem do sertão, por isso não leva nas malas apenas o carimbo e o nome “Kariri”, e sim, a história de seu povo, sua fé, suas crenças e toda a garra dessa gente.
29/04/2010 (Quinta) - Às 20h



Local: Teatro SESC Crato - Adalberto Vamozi



Entrada Franca - Info.: 3523.4444 (Ramal: 221)


Jéssika Bezerra
Instituto Sol das Artes Karir
Banda Sol na Macambira



(88)8804-8881

Sol na Macambira

Seminário, negócios da música!

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Programa Compositores do Brasil com Pedro Caetano

Por Zé Nilton


A ginga das músicas desse paulista e excelente compositor brasileiro, chamado Pedro Walde Caetano, é tipicamente carioca. Chegou muito novo ao Rio de Janeiro e, a partir da década de 1940, inicia, como muitos, a vida de compositor no Rio de janeiro, centro por excelência das artes no Brasil.

Pedro Caetano passa para a História da MPB como um compositor de estilo simples, mas de composições em que realçam valores melódicos e harmônicos, resultando em contribuições à renovação da nossa música popular. O detalhe é que não teria vivido economicamente somente da música, fez mais de 400. Nunca abandonou o ofício de Calçadista, e morreu pobre, igualmente a muitos e grandes compositores brasileiros.

No Rio de Janeiro, Pedro Caetano se fez compositor e teve muitos parceiros, como Wilson Batista, Evaldo Gouveia, Guilherme Brito etc., sendo um deles – Claudionor Cruz – também paulista, seu parceiro predileto.

Remeto o leitor interessado em conhecer mais da vida e da obra do compositor Pedro Caetano para os sites informativos sobre a Música Popular Brasileira.

Enquanto isso, esperamos contar com a audiência do ouvinte, nesta quinta-feira, no Programa Compositores do Brasil, quando estaremos rendendo homenagens a Pedro Caetano, apresentando algumas de suas mais belas composições, como:

- Disse me disse de Pedro Caetano e Claudionor Cruz, com Carlos Galhardo, gravação de 1945;
- Haja carnaval ou não- Francisco Alves (Pedro Caetano e Claudionor Cruz, com Francisco Alves, gravação de 1945;
- O que se leva dessa vida, de Pedro Caetano, com Ciro Monteiro, gravação de 1946;
- É com esse que eu vou, de Pedro Caetano, com Elis Regina, gravação de 1972;
- O Samba agora vai, de Pedro Caetano, com Quatro Ases e um Coringa, gravação de 1946;
- Eu brinco, de Pedro Caetano e Claudionor Cruz, com Francisco Alves, gravação de 1946;
- Botões de laranjeira, de Pedro Caetano, com Cyro Monteiro, gravação de 1942;
- A Dama de vermelho, de Pedro Caetano e Alcy Pires Vermelho, com Francisco Alves, gravação de
1942;
- Foi uma pedra que rolou, de Pedro Caetano, com Joel e Gaúcho, gravação de 1940;
- Onde estão os tamborins, de Pedro Caetano, com Quatro Ases e Um Coringa, gravação de 1947;
- Um juramento falso, de Pedro Caetano, com Pedro Caetano, gravação de 1964.
- Nova ilusão, Pedro Caetano, com Paulinho da Viola, gravação de 1972.

Quem ouvir, verá!

Programa: COMPOSITORES DO BRASIL
Rádio Educadora do Cariri
Todas às quinta-feiras, às 14 horas
Pesquisa, produção e apresentação de Zé Nilton
Apoio: Centro Cultural Banco do Nordeste.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...