segunda-feira, 3 de maio de 2010

Enrosca na pele
Tatua a alma
Terce com agulhas de veludo
O brilho na face
Atira com sopros
Cócegas na vida
Assim constrói
Entre olhos de carrossel flutuante
Uma rede aconchegante de lua
Um tempero de sol
A poesia nua
Poesia guardada com cuidado
Para resguardar a cor
Do som do tambor
E a leveza das nuvens
Eis nosso buquê escorpiano
Esculpido sutilmente em dia de Baco
Balacobaco comunal
Cheiro que faz dança
Em musica fraternal.

Alexandre Lucas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...