quarta-feira, 2 de junho de 2010

Luiz “Lua” Gonzaga: Uma emoção indescritível




Luiz “Lua” Gonzaga: Uma emoção indescritível


(*) José Romero Araújo Cardoso


Não obstante nunca ter fumado ou bebido. Luiz Gonzaga foi garoto-propaganda do Fumo DuBom, divulgando a qualidade do produto, a cultura nordestina e aproveitando para buscar equilíbrio financeiro em razão do ostracismo ao qual foi relegado em razão do advento de tendências musicais inspiradas em culturas do estrangeiro, como a Jovem Guarda.
Imagens que se fixaram em minha mente, nas minhas lembranças, difíceis e impossíveis de serem apagadas, foram gravadas provavelmente no início da década de setenta do século passado.
Quando de um show promovido pelo Fumo Dubom em Pombal (PB), na lateral do velho cruzeiro que marca a passagem do século XVIII para o século XIX, de frente à Igreja do Rosário, meu pai, que era homem de bom gosto musical, pois era fã incondicional da eterna e sublime arte de Luiz Gonzaga, tendo “Juazeiro” como canção-identidade, me levou para assistir um dos momentos marcantes de sua vida.
Quando ele me levantou e me colocou em seu pescoço, pois muito pequeno era impossível ver o que se passava logo adiante, devido ao grande número de pessoas que se acotovelava intuindo melhor lugar para desfrutar das músicas que eram cantadas, cenário indescritível se descortinou aos meus olhos, com a extraordinária performance do “Rei do Baião”.
Àquele homem, com um imenso chapéu de couro, abrindo e fechando compassadamente a sanfona, todo encourado, iluminado pelas luzes de inúmeros refletores, marcou profundamente para o resto da minha vida.
Entendi a razão por que todo dia meu pai nos acordava com o rádio em toda altura quando programação dedicada ao “Rei do Baião” era iniciada. Luiz Gonzaga é eterno, ímpar em despertar a autenticidade e a identidade do sertanejo, pois cantou em versos extraordinários, a maioria em parceira com Humberto Teixeira e José Dantas de Sousa Filho, o sertão em corpo e alma.
Imortalizou a nossa flora, os nossos passarinhos, as secas inclementes, as parteiras, os frouxos, os valentes, o chofer de praça, a pobreza do nordeste, os retirantes, enfim, a verdadeira alma do nordeste, a essência que deve permear todas as práticas pertinentes aos filhos da terra do sol.
Luiz Gonzaga em sua simplicidade amava sua terra e seu povo de forma incondicional, pois lhes dedicou antológicas composições que fazem do seu legado um dos mais importantes e respeitáveis repositórios da verdadeira nordestinidade.
A importância de Luiz Gonzaga era tão grande que o fascino despertado fez com que Benito di Paula, grande artista nacional, dedicasse ao “Rei do Baião” uma das mais belas homenagens prestadas ao sertanejo do Exú, pois ao invocar a sanfona branca o povo, o chapéu de couro que lembrava a valentia dos cangaceiros, estava sendo selada a referência de um gênio a um mito do cancioneiro popular em todos os tempos.
Cabe a nós, nordestinos natos, intensificar a reverência à memória e á arte do eterno Luiz “Lua” Gonzaga, pois ameaça inaudita se consubstancia quando há nítida aculturação em prol da ênfase à deturpação dos nossos valores através do advento de pseudo-defensores da cultura nordestina que pensam mais em cifras do que em buscar a permanência das nossas tradições, pois intercalando a barulheira estridente dos instrumentos eletrônicos com os sons cadenciados dos verdadeiros equipamentos que produzem a música genuinamente nordestina, invertem a real dimensão das pregações efetivadas por Luiz “Lua” Gonzaga, o eterno e insubstituível “Rei do Baião”.

(*) José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo. Professor-adjunto do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...