terça-feira, 20 de julho de 2010

QUARTO FESTIVAL DE DANÇA DO LITORAL OESTE

Festival reúne diferentes linguagens da dança no litoral oeste cearense entre 22 e 24 de julho
Uma diversidade de ritmos e manifestações culturais será celebrada entre os dias 22 e 24 de julho, quando será realizado o IV Festival de Dança do Litoral Oeste. O Evento, que terá como palco os municípios de Paracuru, Trairi e Itapipoca, oferecerá ações que perpassam por diversas linguagens da dança. Apresentação de ritmos como dança popular, de salão, contemporânea, entre tantas outras, tornarão o Festival um espaço de troca de saberes e fazeres em dança.

O Festival recebe espetáculos de dança com foco na produção cearense, mas recebendo também companhias de outros Estados do Brasil e de Cabo Verde, com quem o Ceará estabeleceu conexão artística recente, por meio da Bienal de Dança. Estas apresentações acontecem em espaços públicos dos três municípios da região do Vale do Curú, que já há alguns anos desenvolvem ações significativas em torno dessa linguagem e que tem demonstrado ser a dança uma das principais vocações artísticas da região. Além disso, contará com atividades de formação, tais como residência coreográfica, oficinas de dança, palestras, mesas redondas, mostra de vídeo-dança, entre outras, direcionadas tanto a estudantes e profissionais da área, quanto à população em geral. As atividades serão gratuitas.

Além de se propor como um ponto de encontros e trocas de informações, a ação cultural objetiva contribuir para o fortalecimento artístico da região, valorizando as produções do Ceará e contribuindo na formação de platéias para a dança. “Nesse contexto, a dança cênica na Região tem ocupado um papel de destaque entre as demais linguagens artísticas não somente pela qualidade e diversidade da produção, mas também pela força das iniciativas que contribuem para o seu fortalecimento. Seu poder de mobilização social é capaz de articular os agentes culturais de toda região, no sentido de transformar a realidade social e cultural dos seus municípios, criando uma cadeia produtiva sustentável, indutora de desenvolvimento local”, aponta Clerton Martins, presidente da Associação dos Bailarinos, Coreógrafos e Professores de Dança do Ceará (Prodança), promotora do Festival.
Para a definição da programação de espetáculos e as oficinas do Festival, foi mantido um diálogo entre a Prodança e representantes das três cidades sedes do evento, que juntos formaram a curadoria desta edição. “Uma característica que sempre marcou este evento é a participação das entidades que reúnem os profissionais da Dança em cada cidade pólo da região. Em 2010, Itapipoca está na presença de Gerson Carlos, da Cia. Balé Baião; em Trairi a representação é de Antonio Alves; e em Paracuru a curadoria conta com Flávio Sampaio”, destaca a Profª. Graça Martins, curadora do Festival pela Prodança.
Desta forma, pelo quarto ano o Festival de Dança Litoral Oeste cumpre com seu papel formativo, já tendo realizado, em parcerias com instâncias públicas, mais de 40 oficinas preparatórias e seguindo com mais nove oficinas durante o evento.
A mudança do período do Festival para o mês de julho, que aconteceu em 2009, também permite que além do público da região, turistas de outros Estados e países também conheçam o trabalho das companhias de dança do Ceará. A Média de público estimado é de três mil pessoas por dia, em cada cidade-sede.

Jota Júnior Santos

Produção e Divulgação de Arte e Cultura


55 88 9981 7700

55 85 8635 0299 - 9980 8116
eu_jotajunior@hotmail.com - twitter.com/jotajuniorsts

Um comentário:

  1. DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA

    “As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
    têm direito inalienável à Verdade, Memória,
    História e Justiça!” Otoniel Ajala Dourado

    O MASSACRE DELETADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA

    No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi a CHACINA praticada pelo Exército e Polícia Militar em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato “JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA”, paraibano negro de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.

    O CRIME DE LESA HUMANIDADE

    O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.

    A AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA PELA SOS DIREITOS HUMANOS

    Como o crime praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL conforme legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza – CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos

    A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO

    A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.

    RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5

    A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;

    A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA

    A SOS DIREITOS HUMANOS, como os familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA

    A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, mas não o fazem porque para elas, os fósseis de peixes do “GEOPARK ARARIPE” são mais importantes que as vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    A COMISSÃO DA VERDADE

    A SOS DIREITOS HUMANOS em julho de 2010 passou a receber apoio da OAB/CE pelo presidente da entidade Dr. Valdetário Monteiro, nas buscas da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão, e continua pedindo aos internautas divulguem a notícia, bem como a envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal a localização da COVA COLETIVA das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.

    Paz e Solidariedade,

    Dr. Otoniel Ajala Dourado
    OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
    Presidente da SOS – DIREITOS HUMANOS
    Editor-Chefe da Revista SOS DIREITOS HUMANOS
    Membro da CDAA da OAB/CE
    http://www.sosdireitoshumanos.org.br
    sosdireitoshumanos@ig.com.br
    http://twitter.com/REVISTASOSDH

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...