sexta-feira, 28 de outubro de 2011

31 de outubro, Halloween que nada! É dia do Saci Pererê! Viva a Cultura Nacional!


O SACI PERERÊ.

O Saci é um menino fantástico, brasileiro, negro. Tem uma só perna e olhar muito esperto. Costuma vestir uma touca vermelha e trazer na boca um cachimbo porque gosta de fumar. Muita gente o tem como um ser maléfico. Mas isso é exagero. O Saci é endiabrado, mas não diabólico. É mais dado a brincadeiras que a malefícios. Astuto, diverte-se fazendo gozações, dando sustos, aprontando trapalhadas.
Segundo o folclorista Câmara Cascudo, o Saci – pronto e acabado como conhecemos – é originário do sul do Brasil. Em Roma e Portugal há seres semelhantes a ele. E, recentemente, há quem diga ter notado sua presença na Austrália, em Madagascar e na famosa excursão Londres – Liverpool – Dublin.
No Mato grosso há um pássaro, o carapuço vermelho, cujo assobio faz lembrar o assobio com o qual o saci anuncia sua presença nas matas e fazendas.
Assobia e surge num redemoinho. Começam então as suas estripulias: apaga a luz, assusta as galinhas, quebra louças, faz o leite talhar, mija na água do poço... Ele gosta de trançar a crina dos cavalos e de cavalgar. E de apavorar quem caminha em estradas solitárias.
Ultimamente vem se registrando a migração do saci: ele está deixando o campo pela cidade. Nos centros urbanos costuma permanecer invisível, mas sua presença tem sido detectada em várias situações estranhas. Assim, há indícios de sua presença nas situações que podem ser enunciadas como expressões: “não sei como...”, “que raiva...”, “justo agora...”, “onde será...”, “quem foi...”, “não entendo...” e outras tantas. Como exemplos escolhidos pelos estudiosos, vão a seguir frases indicativas de que o saci anda por perto de quem as pronuncia:
- “Não sei como pude esquecer meu guarda-chuva!”.
- “Que raiva! Tinha que pingar esse maldito molho na minha roupa?!”.
-“Justo agora que eu sentei para ver a novela esse telefone toca...”.
-“ Onde será que foi parar o lápis que estava aqui agora mesmo?”.
-“ Quem foi que deixou a porta da geladeira aberta?”.
-“Não entendo...Como fui perder a chave outra vez?”.
No campo, o nome comum da espécie desse ser fantástico é Saci ou Saci-Pererê. Na cidade, cada Saci gosta de se individualizar, adotando um nome próprio, como, por exemplo, Wilson Pereira. Outra diferença diz respeito aos presentes que as pessoas dão ao saci para evitar que ele apronte das suas. No campo, o Saci deixa-se cativar por presentes simples: um pedaço de fumo de corda, uma garrafa de licor de pequi, meio quilo de goiaba-cascão ou um facão guarani. Na cidade os presentes são outros, como um radinho de pilha, óculos escuros, tênis, goma de mascar sabor tutti-frutti, wisky escocês, camisetas com a inscrição I love saci! Ou outras do gênero.
A lista não tem fim porque o Saci urbano é insaciável...
fonte: http://silnunesprof.blogspot.com/

Um comentário:

  1. Janinha,
    Gostei muito da sua postagem sobre o Halloween e publiquei em meu blog hoje(http://arimatea101.blogspot.com). Fiz de acordo com as regras da blogosfera e citei a fonte e deixei o link do Cultura no Cariri.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...