segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Cultura popular é fonte para a produção de documentários!


Clique para Ampliar
YAÇANÃ NEPONUCENA
O documentário Mestre Cirilo é um dos vídeos que já foram finalizados. Os filmes produzidos servirão de apoio didático para os professores da rede pública municipal de ensino
O material, que será distribuído em escolas da rede pública, retrata manifestações como danças e reisados

Crato. O Instituto Ecológico e Cultural Martins Filho (IEC), a Universidade Regional do Cariri (URCA) e o Coletivo Camaradas, que desenvolvem o projeto "Terreiro dos Brincantes", estão produzindo oito documentários sobre a cultura popular do Cariri. Os vídeos serão concluídos no próximo mês, após uma parceria com a Secretaria de Cultura do Crato, que viabilizou a finalização dos documentários, ao oferecer os meios necessários e o apoio logístico para que as equipes de filmagens desloquem-se até as comunidades habitadas pelos brincantes. Toda a produção será distribuída nas escolas da rede pública de ensino do Município.

O projeto "Terreiro dos Brincantes" tem como principal característica a vivência dos mestres brincantes com suas comunidades e, a partir das conversas e experiências entre pesquisadores e brincantes, a produção dos documentários sobre a história de cada um dos grupos ou dos seus mestres. As manifestações vão desde danças de São Gonçalo, a reisados de couros, lapinhas e maneiro pau.

A iniciativa surgiu depois que alguns professores da rede pública de ensino perceberam a ausência de material didático que relatasse a história da cultura popular produzida na região do Cariri. Além de proporcionar uma maior aproximação entre os estudantes e a cultura popular da região, os documentários poderão proporcionar aos alunos um novo olhar sobre o universo cultural, além de promover a socialização de suas práticas, da diversidade dos grupos e mestres regionais. A ação deve ainda possibilitar a ampliação das áreas de atuação dos grupos, uma vez que os curtas poderão ser conferidos em todo o mundo.

Acesso
A ideia do projeto é proporcionar o acesso da população a essas histórias. Cada documentário terá 15 minutos de duração. Além das escolas, os vídeos serão disponibilizados virtualmente através da internet. A expectativa é que até o final deste mês, todo o material já esteja pronto para ser repassado às escolas e conferidos nas instituições de ensino e na rede virtual.

O grande diferencial do projeto Terreiro dos Brincantes em relação aos demais documentários sobre a cultura popular é a contribuição para a memória social do povo brasileiro, uma vez que as histórias são interpretadas pelas próprias comunidades que a produzem. Os vídeos serão lançados em cada uma das localidades onde aconteceram as filmagens. Os mestres brincantes poderão conferir suas próprias vidas na telona.

Pertencimento
De acordo com o coordenador do projeto, Alexandre Lucas, ao ver os filmes, os membros das comunidades reagem com deslumbramento diante das suas produções. "Há uma relação de pertencimento dos brincantes e da comunidade no geral com os vídeos. É importante que eles tenham esse material para que possam ter sua memória arquivada de alguma forma", destaca.

"O que a gente vê são fotógrafos e cineastas se apropriando do resultado de suas produções para se beneficiarem financeiramente sem devolver esse resultado das premiações as grupos culturais que contribuem e não têm acesso", acrescenta Alexandre.

Através de parcerias com outras universidades além da Urca, o "Terreiro dos Brincantes" irá abrir, nos próximos dias, um edital para o processo de seleção de mais monitores, que darão suporte ao projeto. Atualmente, o "Terreiro do Brincantes" conta com a monitoria de 15 estudantes universitários. O projeto foi criado no início de 2010 e, desde então já realizou várias vivências, rodas de conversas, visitas a comunidades, oficinas de fotografia e de audiovisual.

Documentários
Até agora, dos oito documentários, quatro já estão prontos: "Mulheres do coco da Batateira", "Mestre Zulene Galdino", "Mestre Cirilo", "Reisado Dede de Luna". Ainda faltam ser finalizados: Malhação do Judas do Crato, Festa de carregamento do pau da bandeira de Santo Antônio, Festa de Santo Antônio de Barbalha e Reisado do Sassaré. Todos os vídeos produzidos foram resultado do diálogo entre pesquisadores e os brincantes.

Para o estudante de artes visuais e técnico em cultura, Sérgio Magalhães, a iniciativa se difere justamente por levar a cultura popular às escolas. Ele entende que, dessa forma, será possível mostrar que, apesar de serem manifestações tradicionais, elas não são estáticas e se transformam dialogando com o que há de mais contemporâneo.

"Essa é uma iniciativa bem interessante e inovadora para a região, uma vez que pensa sob a ótica de levar a cultura popular para a sala de aula. Com esse projeto, os alunos podem conhecer as diferentes manifestações da nossa região, suas formas e representações, além conhecerem a histórias por traz das manifestações e brincadeiras", disse.

Audiovisual
8 documentários serão produzidos pelo Instituto Ecológico e Cultural Martins Filho, a Universidade Regional do Cariri (URCA) e o Coletivo Camaradas.

Mais informações

Coletivos Camaradas
Rua José Carvalho, 11
Bairro Centro
Crato - Região do Cariri
Telefone: (88) 9661.6516

FONTE: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1101650

YAÇANÃ NEPONUCENA
REPÓRTER

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...