quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Qual é a tua Marcos Cunha?

Entrevista concedida pelo Candidato a prefeito na cidade Crato/CE, pelo Partido dos Trabalhadores – PT, Marcos Cunha. 
     
Nome completo: Francisco Marcos Bezerra da Cunha
Data de Nascimento: 15.02.1953
Nome do Vice:   Pedro Lobo Neto        
Partido: PARTIDO DOS TRABALHADORES DO CRATO - PT  

Formação: I- Atividades Políticas
  • Presidente do Centro de Cultura Inglesa (CCI), no Colégio Salesiano de Juazeiro do Norte (1967-68)
  • Presidente do Grêmio Lítero Esportivo Farias Brito, Colégio Diocesano do Crato (1969-70)
  • Orador da União dos Estudantes do Crato – UEC (1969-70)
  • Presidente do Partido dos Trabalhadores do Crato – PT Crato
  • Secretário Geral do Partido dos Trabalhadores do Crato – PT Crato
  • Coordenado da Secretaria de Formação Política do Diretório Estadual do PT
  • Presidente da Associação dos Profissionais de saúde do Crato – APROSC
  • Diretor do Centro Médico Cearense
  • Diretor do Sindicato dos Médicos do Ceará
  • Candidato à Prefeito do Crato pelo PT (1988)
  • Coordenador da Campanha Lula Presidente no Sul do Ceará (1989)
  • Candidato à Vice-prefeito do Crato pela coligação PMDB-PT-PSB-PCdoB (1992)
  • Militância do PT Paraná (1993-1996)
  • Militância no PT Crato (desde 1997)
  • Candidato a prefeito do Crato (2012)
                  II- Atividades Médicas

  • Graduado em Medicina - Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco – FESP (1978)
  • Internato em Medicina – Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro – RJ (1977)
  • Residência Médica em Neurologia – Santa Casa de Misericórdia do RJ – Serviço dos Professores Abrahão Akerman e Nunjo Fynkel (1979-80)
  • Residência Médica em Medicina Interna – Hospital Geral de Fortaleza (1981)
  • Médico Contratado da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará – Centro de Especialidades Médicas do Crato (1982)
  • Médico Concursado da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará – Centro de Especialidades Médicas do Crato (1983-1992)
  • Residência em Neurologia R4 (Doenças Neuromusculares: eletroneuromiografia e patologia de músculo e nervo) – Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná (1993)
  • Médico Concursado em Eletroneuromiografia - Universidade Federal do Paraná (1994)
  • Mestrado em Neurologia -  Universidade Federal do Paraná (1994-1995)
  • Doutorado em Neurologia – Universidade Federal do Paraná (1996-1997)
  • Coordenador do Ambulatório de Doenças Neuromusculares do Serviço de Neurologia do Hospital Universitário Professor Walter Cantídio – Universidade Federal do Ceará (1996-2010)
  • Neurologista Consultor do Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária Dona Libânia, Fortaleza, Ceará (1997-2010)
  • Pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa – CNPq (desde 1996)
  • Professor Substituto em Neurologia da Universidade Federal do Ceará (   )
  • Professor Adjunto de Neurologia da Universidade Federal do Ceará na Faculdade de Medicina do Cariri – Barbalha (desde 1998 )
  • Coordenador do Internato de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Cariri – UFC no Hospital São Francisco do Crato (desde 2005)
  • Coordenador da Residência de Clínica Médica da Faculdade de Medicina do Cariri – UFC no Hospital São Francisco do Crato (desde 2009)
  • Médico neurologista com consultório na Policlínica Cirandinha, no Crato (1982-1992)
  • Médico Neurologista na clínica Dr. Antônio Gesteira (desde 1997)
Profissão: Médico especialista em Neurologia e Neurofisiologia Clínica

Alexandre Lucas - Quem é Marcos Cunha? E qual a sua história política?

Marcos Cunha - Meu pai, Francisco Almir da Cunha, é filho de Caririaçu; minha mãe, Maria Sônia Bezerra da Cunha, filha do Crato. Casados foram morar em Vitória do Espírito Santo. Lá eu nasci, primogênito, no dia 15 de fevereiro de 1953 – domingo de carnaval. Meu primeiro ano de vida passei em Vitória. Meus pais retornaram ao Crato em 1954.

Em 1960, meu pai desaparecido, fui morar em Goiânia com minha mãe. Meus dois irmãos ficaram sendo criados pelos meus avós José Lindolfo Bezerra de Menezes e Ana Teixeira Férrer (Sinhara). Minha mãe tinha uma lavandaria e eu recebia e entregava roupas. Estudava no Grupo Escolar Rui Barbosa, na Avenida Goiás. Era aluno regular, dedicado e com bom aproveitamento. Com nove anos, eu andava a cidade inteira.
Desde muito cedo trabalhei. Minha mãe tinha uma lavandaria e eu recebia e entregava roupas. Aos sábados, eu assumia a freguesia da lavagem de roupas e ainda exercia  uma outra profissão: engraxava sapatos. Iniciei minhas atividades políticas no movimento estudantil ainda Goiânia na Era Jango Goulart e na resistência ao Golpe Militar de 1964. Fazia parte do Centro Estudantil Secundarista Goianiense, um grupo de militantes ligados ao Partido Comunista de Goiânia. Ficamos nesta cidade até o final setembro de 1966, quando retornamos para o Crato.

Estudei no Colégio Salesiano. Fundamos um grupo de debates: o Centro de Cultura Inglesa. Com o incentivo e apoio do Prof. José Bezerra, fazíamos julgamento e discussões de personagens históricos e temas públicos. Eram famosas essas reuniões.

No início de 1968, me matriculei no Colégio Diocesano e falei com o Mons. Montenegro, então diretor daquele educandário. Ele conhecia bem a história e a luta de minha mãe. Fiquei trabalhando no Colégio, tendo como pagamento a mensalidade da escola.

Trabalhei no Colégio Madre Ana Couto, através da Madre Feitosa, que me convidou a ser professor do Curso de Admissão ao Ginásio. Eu Ensinava as matérias básicas da prova: português, matemática, história e geografia. Era um "dinheirinho" bom que ajudava nas despesas da família. Também, no início dos anos 70, fiz um Treinamento na Fundação Padre Ibiapina para Alfabetização de Adultos, no recém-criado MOBRAL. Foram experiências e vivências mágicas e que marcaram minha vida para sempre.

Um grupo teve a idéia de reativar o Grêmio Lítero-Esportivo Farias Brito do Colégio Diocesano. Estávamos em plena Ditadura Militar, a caminho da fase mais pétrea da repressão. A duas primeiras Diretorias foram formadas sob a minha presidência ao lado Maurício Almeida Filho, vice. Semanalmente tinhamos dois jornais murais de grande repercussão no colégio: "Visão Jovem" e o "Realista".

Na Colação de Grau, escolhido como orador da turma, fiz um discurso simples e objetivo com críticas ao Regime Militar e Instituições aliadas na Festa de Formatura no Crato Tênis Clube. Grandiosíssima festa! No dia seguinte, logo cedo da manhã, o delegado Cel. Osmar de Oliveira Lima, me acordou na casa dos meus avós e insistiu que eu entregasse o discurso. Eu recusei e ele me levou para a cadeia do Crato, onde permaneci detido o dia inteiro. Em nenhum momento sofri agressão física. Apenas a pressão psicológica e insistência para que eu entregasse o discurso. Tive que voltar outras vezes para ser interrogado pela Polícia da Repressão Militar.

Aquela situação foi se agravando e por orientação de amigos eu tive que ir para Fortaleza. Novamente troquei trabalho, moradia e alimentação por estudo no Colégio Marista. Trabalhei na mecanografia, na secretaria e como professor de História da Escola Noturna que era um projeto do Colégio para  as pessoas de baixa renda. Fazendo o 1º ano Científico, já estudava para o Supletivo do 2º Grau. Em junho de 1970 fiz provas e consegui aprovação.

Em setembro de 1970, me transferi para o Recife. Novamente fui detido e investigado porque eu tinha uma relação pessoal com o Pe. Henrique, salesiano que fazia parte da resistência contra a ditadura militar e fora assassinado em Recife.

Em 1972, fui aprovado para o Curso de Odontologia e no Ciclo Básico de Biociências, que reunia todos os Cursos da Área de Saúde. Em 1973 ingressei no Curso de Medicina na Universidade Estadual de Pernambuco. Daí para frente, meu irmão, Roberto Lindolfo foi para o Recife sendo aprovado no Curso de Odontologia. Posteriormente, minha mãe e meus irmãos, Jorge Ney, Diassis e Daniel (sendo estes dois últimos adotivos) montamos um pensionato no Recife. Jorge passou no vestibular de Odontologia e Daniel, em Medicina, hoje ele é neurocirurgião e professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina.

Terminei o curso de medicina no final de 1978. Apenas colei grau em Recife, pois todo o Internato Médico, o 6º ano, já tinha ficado na Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Fui o orador da nossa turma. O tema central do discurso foi uma dura crítica aos "Os dez anos da Reforma Universitária".

Em 1978, o Brasil conquistava a "Abertura Política". Na época as instituições médicas, como o Conselho Federal de Medicina, a Associação Médica Brasileira e os Sindicatos Médicos eram dirigidos e controlados por pessoas simpatizantes do Regime Militar, com boas e raras exceções. Eu participei do movimento sindical "Renovação Médica", como representante dos Internos da Medicina do Rio de Janeiro, na articulação de uma Nova Política Médica. Daqui sairiam grandes lideranças que seriam importantes no Movimento Pró-Formação do Partido dos Trabalhadores.

Retornei ao Crato, após Internato e a a conclusão deResidência Médica em Neurologia no Rio de Janeiro, em fevereiro de 1981. Logo conheci Ronald Albuquerque, Expedito Guedes, José Francisco, "Seu" Osvaldo, Hermano Roldão, Roberto Oliveira e Assunção (Maria Ferreira de Alencar). Não participei da reunião de criação da Comissão Provisória do PT – Crato. Entrei depois da formação. Naquela época, o PT cabia num fusca. Nào mais que isso.

Na eleição de 1988, o PT despolarizou a política da cidade, antes restrita aos grupos remanescentes do PSD e UDN. Foi criado um espaço para as discussões no campo democrático e popular com uma representação já importante de votos. Elegeram-se dois vereadores: Ronald Albuquerque e Expedito Guedes.

Em 1989, como coordenador no Cariri da 1ª. Campanha à Presidência da República, trouxemos Lula ao Crato para grande comício na Praça da Sé. Do Juazeiro ao Crato fizemos uma carreata, até a residência de Dona Benigna Arraes (mãe do governador Miguel Arraes), no início da Dr. João Pessoa. Daí saimos em caminhada pela Dr. João Pessoa para o maior comício que nossa cidade realizou na Praça da Sé. Estavam presentes o Governador de Pernambuco, Dr. Miguel Arraes, o Senador Mansueto de Lavor, Parlamentares do Ceará e Pernambuco, lideranças dos diversos segmentos da sociedade e eleitores da cidade e dos distritos. Após o comício Lula e Arraes viajaram para encerrar a campanha presidencial em Recife.

Em 1992 o PT apresentou a minha candidatura para vice-prefeito do Dr. Raimundo Bezerra. Foi uma experiência fantástica trabalhar com um político tão importante como ele. Determinado, muito articulado politicamente, com um pensamento ideológico definido e claro, um verdadeiro manancial de idéias para o município. Pessoalmente, aprendi muito com Dr. Raimundo Bezerra. Dos deleites de uma cervejinha na sua mesa ao lado geladeira, à coragem política.

Em 1993, eu minha família fomos morar em Curitiba. Ali permanecemos pelos quatro anos seguintes. No Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná, sob a orientação do Prof. Lineu César Werneck fiz Mestado e Doutorado em Neurologia. Lá participei e fiz militância nas campanhas do PT, ao lado do Deputado Edésio Passos. Completados meus estudos e retornei ao Crato. Nesse novo período, concursado pela Universidade tive que dividir meu trabalho entre Fortaleza e o Crato. Na época ainda não havia sido criada a Faculdade de Medicina do Cariri (extensão da Universidade Federal do Ceará – UFC). Permanecia no Crato de domingo a quarta-feira e em Fortaleza quinta e sexta-feira. Seriam 13 anos nesse vai e vem , um percurso mensal de cinco mil quilômetros até janeiro de 2010 . Foi uma experiência interessante! Hoje sou Professor-Adjunto de Neurologia da UFC em Barbalha.

Alexandre Lucas - Porque você é candidato a prefeito do Crato?

Marcos Cunha  -  O Crato é uma cidade maravilhosa. Eu posso não ter nascido nela, mas me orgulho de coração por morado e vivido na Vila de Frei Carlos mais de 40 anos da minha vida. Digo por onde ando que sou daqui. E tenho o maior orgulho disso. No Crato eu me casei, criei meus filhos, trabalho e vivo o melhor da minha vida. Aqui me sinto parte dessa terra e ficarei o resto dos meus dias. Trabalho como professor universitário, faço neurologia e neurofisiologia clínica (Clínica Neurológica, Eletroneuromiografia e Eletrencefalograma) e continuo minha a militância política no PT. Percebo, claramente, que a melhoria da saúde da população está diretamente ligada à ação política , assim quando exerço minha atividade política estou apenas ampliando a possibilidade de minorar o sofrimento e aumentar o bem estar do meu povo , que no fundo são os mais nobres objetivos da Medicina.

Alexandre Lucas - Como você avalia a atual gestão municipal?

Marcos Cunha  - A Gestão Municipal do Dr. Samuel Araripe dos últimos oito anos, com uma base de apoio, de quatro anos no Governo de Walter Peixoto, não teve um Projeto de Governo definido de forma ampla e desenhado previamente. As ações foram realizadas de formas pontuais. A comunidade cratense, da cidade e da zona rural não foi convocada para dar base social ao governo e participar de forma efetiva das ações do governo municipal.  

Alexandre Lucas - Quais os desafios para a próxima gestão?

Marcos Cunha  - O primeiro desafio é o político. Precisamos elevar a auto-estima do cratense, criando a perspectiva do “fazer acontecer” contra a cultura do “estamos perdendo tudo para os outros municípios”. A partir daí, compor uma representação política a nível dos poderes municipal, estadual e federal. Nela deverão estar pessoas com o sentimento e as novas ideias para o nosso município.

O segundo desafio é administrativo. É o do enfrentamento dos principais problemas e demandas do nosso município. Precisamos das bandeiras do compromisso e do trabalho sério. Uma prefeitura não pode ser um de grupo de amigos. Trata-se de instrumento coletivo de possa agregar pessoas no trabalho, na representação e criatividade de ações capazes de construir uma cidade boa para se viver. Será necessário para isso um modelo administrativo que envolva um modo de governar de forma democrática e popular. Serão necessários o envolvimento de toda a comunidade cratense na discussão do orçamento participativo, na escolha das prioridades de atendimento das principais ações e no controle social do atendimento das demandas estabelecidas. 

Alexandre Lucas - Quais as diretrizes políticas do seu plano de governo?

Marcos Cunha  - O Partido dos Trabalhadores no ano em que completa 32 anos de história vive mais uma etapa importante da sua construção. O PT se transformou numa instituição política reconhecida nacional e internacionalmente, e atingiu um objetivo central ao reeleger, como expressão da luta do nosso povo por transformações sociais, Dilma Rousseff, Presidente da República.

As Administrações Petistas desenvolveram, ao longo dos anos, iniciativas inéditas e exemplos bem sucedidos de políticas públicas eficazes e gestões transparentes que passaram a compor o “modo petista de governar”. O aperfeiçoamento desse modelo tem contribuído intensamente para avanços significativos na democratização da gestão pública no Brasil, no combate à pobreza e às desigualdades sociais e econômicas.

Para isso, é preciso manter e ampliar a nossa capacidade de elaboração e aperfeiçoamento de conteúdo político dos Programas de Governos Municipais. Elaborando propostas e ações que objetivam a melhoria das cidades, mas especialmente o atendimento das necessidades das pessoas.

Para atingir os objetivos estratégicos do PT para as eleições 2012 se apresentam cinco eixos para a elaboração das Diretrizes dos Programas de Governos Municipais que representam à síntese da elaboração programática do Partido dos Trabalhadores.

São eles:

1. Participação Cidadã e Controle Social da ações do Governo Municipal: por uma cultura democrática e transformadora na vida pública;
2. Desenvolvimento Local Sustentável como fator de geração de trabalho e renda e promoção da igualdade social;
3. Políticas Sociais e de Garantia de Direitos;
4. Gestão Ética, Democrática e Eficiente;
5. Gestão Democrática do Território.

Essas diretrizes constituem-se num instrumento indispensável para dar maior nitidez à disputa política eleitoral, caracterizando o perfil inovador do PT na solução dos problemas do município do Crato.

Caberá também, a cada candidato e a cada candidata, fazer valer sua força e sua responsabilidade na construção de novos rumos para nosso município do Crato, sendo um líder de sua comunidade para que ela avance econômica, social e politicamente.

As candidaturas ao legislativo municipal, afinadas com a candidatura majoritária, devem incorporar no seu discurso político as metas e ações do Programa de Governo para o município, articulando a elas suas propostas de mandato.

Qual será o critério de escolha do secretariado numa futura gestão do senhor?

Os nossos secretários deverão ser escolhidas por sua identificação com as Diretrizes Políticas do nosso Programa de Governo, mas permanecerão nas suas funções pelos méritos de suas competências.

Como o senhor avalia a atuação Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude?

Atualmente, é necessário que os governos municipais compreendam que as políticas públicas do Governo Federal separam as ações da Cultura e da Juventude e Esportes. Muitos municípios, inclusive do Cariri já se adaptaram a essa nova realidade.

Alexandre Lucas - Pretende manter alguma ação da atual Secretaria da Cultura, Esporte e Juventude?

Marcos Cunha  - No Governo de Transição, intervalo entre os resultados eleitorais e a posse, deverão ser avaliadas criticamente todas as ações do Gestão Municipal atual na perspectivas dos resultados conseguidos e as suas viabidades econômicas. Não podemos condenar ações políticas por meros caprichos. Um boa gestão deve ter a capacidade de avaliar os recursos públicos aplicados e os seus resultados, devendo aproveitá-los ou não.

Alexandre Lucas - Quais as propostas que pretende desenvolver para a Cultura?

Marcos Cunha  - O Crato desde os primeiros tempos configurou-se como importante centro econômico do nordeste brasileiro, com desenvolvimento na cultura, nas artes e forte mobilização político-social.

O Crato sempre foi reconhecido e reverenciado como “Cidade Capital da Cultura”. Lamentavelmente, por ineficiência dos poderes públicos, a cidade vem paulatinamente perdendo este precioso status. Não obstante, observa-se uma postura de resistência de nossos artistas, agentes culturais e da própria população para que essa identidade artística e cultural não se perca por completo. Portanto, se o governo municipal fizer a sua parte, implementando uma política efetiva e coerente nessa área cultural, assistiremos, com certeza, uma verdadeira “revolução” que mudará, para melhor, a face da cidade e a vida dos seus habitantes.

O Governo de Marcos Cunha promoverá ações transversais entre as diversos gêneros de arte e expressões culturais, efetivando convergências, promovendo e preservando as culturas populares e tradicionais, estimulando a inovação, apoiando linguagens culturais diversas.

ESTRATÉGIA DE AÇÃO
  1. Estabelecer uma política para cultura, centrada na estruturação e fortalecimento dos equipamentos com vistas a ampliar a cadeia produtiva das artes, revitalizando os equipamentos culturais e apoiando a veiculação da produção independente;
  2. Implantar a gestão participativa na cultura por meio da criação do Sistema Municipal de Fomento `a Cultura, articulado com o Sistema Estadual e Nacional de Cultura;
  3. Constituir o Conselho Municipal de Cultura (CMC); contemplando a participação de todos os setores de artistas, produtores, movimentos, incentivadores e setores representativos da sociedade civil.
  4. Solicitação de audiências públicas para discutir apoio à cultura;
  5. Realizar Conferência Municipal de Cultura para discussão do Plano Municipal para Cultura;
  6.  Construir um calendário de ações sintonizado com as tradições, atividades e propostas  cratense;
  7. Realizar mapeamento da cultura para subsidiar a definição da política cultural e a economia da cultura, articulada com uma política de geração de renda;
  8. Incentivar a criação e o intercâmbio de manifestações culturais e tradicionais e experimentais;
  9. Estabelecer parcerias para fortalecer a formação, a produção e a difusão, estimulando e apoiando o intercâmbio estadual, nacional e internacional da cultura;
  10. Realizar um trabalho junto a juventude ofertando espaços, atividades e formação artística numa forma de investir na cultura e nas artes, melhorando a qualidade de vida de jovens que muitas vezes encontram-se a margem da sociedade, pois a cultura quando produzida e acessada na comunidade estabelece relações de sociabilidade.
  11. Promover trocas culturais entre diversas manifestações culturais;
  12. Promover e proteger as diversas manifestações culturais, materiais e imateriais e proteger o Patrimônio Histórico e Cultural do Crato;
  13. Promover e proteger os segmentos artísticos historicamente excluídos e oprimidos tais como pessoas com deficiência, com transtornos mentais e populações de afro-descendentes, GLTB, ciganos e indígenas, entre outros;
  14. Preservar e estimular as tradições dos mestres de tradição popular, de música e dança, artesãos e outros segmentos artísticos populares;
  15. Fomentar a Economia da Cultura como forma de viabilizar a auto-sustentabilidade dos artistas e produtores apoiando uma das vertentes econômicas que mais crescem no mundo;
  16. Divulgação dos produtos culturais do Crato em feiras, festivais e mostras realizadas no âmbito das festividades;
  17. Inclusão da produção artística e das manifestações culturais nos projetos de grande porte da Prefeitura;
  18. Estimular os empresários a adotarem ações pró-ativas em relação à cultura de patrocínio, de investimentos em fundos de cultura e participação em programas de patrocínio incentivado com renúncia fiscal;
  19. Potencializar as ações de bibliotecas com programas voltados a circulação de atividades de leituras, artisitcas e culturais em bairros e distritos;
  20.  Adoção das Escolas Municipais em equipamentos culturais para a juventude e população em geral na perspectiva de funcionar aos finais de semana como Centros de Culturas para realização de oficinas e espaços de apresentações artísticas;
  21. Estabelecer programas de aprendizagem das artes das comunidades nas respectivas escolas municipais e estaduais;
  22. Estabelecimento de convênios com as Universidades e outras Instituições para capacitação de agentes culturais, para realização de projetos em bairros e distritos do Crato;
  23. Promover a integração da cultura e educação ampliando a jornada escolar e possibilitando a inserção das diferentes linguagens e práticas artísticas na Educação Básica;
  24. Estimulo as diferentes formas de manifestações culturais, à pesquisa sobre os temas das culturas populares, ao conhecimento e reconhecimento de artistas;
  25. Criar uma demanda de ações com projetos culturais abertas a comunidade cratense;
  26. Atuação transversal da cultura nas diversas secretarias do município;
  27. As políticas culturais devem contemplar, fomentar e financiar a produção, a distribuição, a circulação, a qualificação de artistas e produtores, e a formação de platéia para as diversas atividades culturais;
  28. Criação de uma Lei Municipal de Incentivo à Cultura com destinação de no mínimo 1% (recomendado pela agenda 21da cultura) do orçamento municipal;
  29. Organizar editais para fomento de instituições, projetos e programas culturais;
  30. Criar editais simplificados com ênfase na cultura popular, na juventude e iniciantes como forma de ampliar o acesso destes segmentos aos recursos públicos da cultura;
  31. Apoiar os artistas e produtores e gestores culturais com programas de qualificação continuada e de apoio a produção cultural e artística;
  32. Organizar manutenção e equipar os espaços culturais da cidade: Museu Histórico e de Arte, Teatro Municipal, Bibliotecas, Banda Municipal, Complexo RFFSA, Sítios Arqueológicos como Caldeirão da Santa Cruz e Sítio Fundão, entre outros;
  33. Criar um Festival Internacional de Teatro e Circo na cidade de Crato, fomentando a manutenção e continuidade de grupos e companhias artísticas;
  34. Promover o CHAMA – Chapada Musical do Araripe integrando novos talentos e os já consolidados, aberto a todas as manifestações culturais;
  35. Instituir um Festival da Tradição Popular durante o mês de agosto (Mês do Folclore);
  36. Elaborar um catálogo dos artesãos do Crato;
  37. Criar um centro de registro e memória das manifestações culturais da cidade;
  38. Ampliar o acesso à cultura por meio de ações desenvolvidas nas praças;
  39. Criar o observatório da cultura;
  40. Recuperar os equipamentos da cidade garantindo a participação da sociedade cretense;
  41. Estabelecer um diálogo direto com os diversos segmentos das artes e da cultura;
  42. Instituir uma ouvidoria para cultura por meio da Secretaria de Cultura do Município.


Alexandre Lucas - Como pretende manter o dialogo com os artistas?

Marcos Cunha  - Os artistas e as suas mais diversas artes deverão ser incluídos como os protagonistas principais de um novo processo cultural. A autonomia, a independência e a liberdade de trabalho deverão fazer parte do seus processos criativos e de produção de artes. A Secretaria de Cultura será um instrumento com a responsabilidade de trabalhar as atividades dos artistas como meio de sobrevivência.

Alexandre Lucas - Qual será a sua política para preservação do patrimônio histórico, arquitetônico, cultural, natural e artístico?

Marcos Cunha  - Nos últimos tempos, a preocupação e os anseios de muitos setores da comunidade cratense, relacionadas com a preservação do patrimônio histórico, arquitetônico, cultural, natural e artístico da nossa cidade foi agendada uma Audiência Pública na Câmara Municipal do Crato. Será uma ampla discussão para estabelecer um protocolo de avaliação e ações que possam reverter a situação. trabalho. Essa foi uma iniciativa da vereadora do PT  Mara Guedes no intuito de reunir todos os segmentos da sociedade e criarmos uma pauta de trabalho para intervir nessa área. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...