quinta-feira, 21 de março de 2013

Mercearia central, famoso Bar do Naldim vai fechar!

Por: Dadá Petrole
Pra quem ainda nao sabe, a "Mercearia Central" (Budega do Naldinho), que no decorrer dos anos se tornou um espaço de caracter cultural e de representatividade da resistência ao modelo convencional de budega, está preste a ser fechada!

Infelizmente por conta da especulação imobiliária na nossa cidade, o espaço
tem que ser devolvido ao seu proprietário, que é o próprio vizinho dela. Entao uma das últimas relíquias da cidade do Crato será desintegrada em breve e mais uma vez o poder do venal massacra uma história de amor e dedicação!

Sinto muito por isso!

 Video Feito no bar de Naldim com o renomado artista Cratense Daniel Peixoto  

http://vimeo.com/36739022
Daniel Peixoto...Flei!



A galera que curte Naldim


foto do vídeo feito por Daniel Peixoto no Espaço do Naldim


O blog Cultura no cariri também lamenta que percamos mais um espaço onde podíamos chegar na madrugada e tocar livremente um instrumento, encontrar pessoas interessantes, sem contar o atendimento do Naldinho, e sua disposição.
O Crato está perdendo seus redutos boêmios, em uma certa ocasião o nosso amigo Dadá Petrole fez um comentário, que à primeira vista me soou como arrogante, só depois  vi a sabedoria da observação, estávamos em um bar conhecido da cidade, mas sendo muito mal atendidos, quem frequenta esse espaço sabe das suas portas serem fechadas às vezes até com fregueses dentro e em pleno consumo e outras grosserias mais, ele disse:
Esta cidade está muito carente!
Achei a colocação típica de pessoas que vão embora e voltam com olhar de superioridade, mas hoje vejo, a carência ta grande e a colocação foi muito bem feita...ora...quem como ele eu,  éramos frequentadores do antigo " Rosto", Xá de flor do real exótico e  gentil Blandino, e tantos outros,  vemos com clareza que perdemos muito espaços aleternativos na região.
Hoje pra se fazer música ao vivo é quase impossível pela imposição de que os shows terminem meia noite e os cachês ainda sejam os mesmos da década de 90, e quem ainda teima em fazer sofre consequências de processos judiciais, ficando submetidos assim a gastar com som, músicos e ter que encerrar no auge do consumo.
Eu, Janinha Brito, trabalho com música na região, talvez já faça esse trabalho muito pelo amor à música,  por ser uma pessoa que precisa da noite ativa sinto na pele o quanto nosso cenário mudou,  a falta de espaços, de estrutura é desistimulante para produtores culturais , proprietários de casas de eventos, e nós: MÚSICOS!
o fechamento do bar de Naldinho nos tira uma opção alternativa e nos empurra ainda mais para espaços onde sabemos que não somos bem tratados...
O Juazeiro tem crescido, tem muitas outras opções, mas à medida que cresce cai a qualidade da música, num apelo deprimente ao axé, forró, e outras bagaceiras mais, essas que já tem tanto domínio de mídia e espaços nos obrigam a baixarmos o nível musical se quisermos um contrato, e como eu e outros não aceitamos, não vemos outra saída a não ser a de correr na disputa de projetos em Centros Culturais, uma corrida quase que irreal pra nós que vivemos com cachês tão pequenos e temos por obrigação  que possuir material de qualidade, de áudio, vídeo, figurino, etc.
Poucas pessoas tem trabalhado para não deixar a música, a noite, e a alternatividade morrerem.
Kaika Luiz, Mônica Vitoriano, produtores culturais dessa região sofrem na pele a falta de investimentos e de patrocinadores, cobrando ingresso de 10 a 20 REAIS, com eventos onde reúnem por vezes 3 bandas do nosso cenário e de outros Estados, o público lamenta ainda o valor do ingresso, tirando assim a possibilidade da continuação dessas produções.
As Secretarias de Cultura se voltaram mais para o incentivo aos grupos de manifestações cabaçais, regionalistas, quando um músico quer se apresentar ele próprio tem que criar o projeto e ver como lucrar com isso, sem incentivo, patrocínio, espaço.
O Boteco João e Maria, localizado  na Rua: Carolino Sucupira, do Sangielo, vem com uma proposta interessante, música boa, noite do vinil, dj resgatando músicas da década de 70 e 80, bandas novas, samba, MPB, performance poética, etc.
Mas em desabafo, ele mesmo já me disse: É difícil Janinha, fazer esse trabalho por aqui!
O cantinho do Pimenta é outro espaço musical, está na aposta de toda sexta feira fazer Blues e Jazz, sendo que no sábado já tem freguesia garantida para o tradicional samba de raiz e samba rock, mas trabalham na rigidez de horário e submissos à um volume musical quase que ambiente, dificultando assim a boa execução das bandas!
Pra quem não conhece o Cariri, essa é uma região de muita arte, de almas livres e boêmias, estamos na esperança de que algo ainda seja feito por parte de nossas secretarias, a música não pode perder ainda mais espaço, toda essa fonte de talentos que jorram por aqui não podem ser desperdiçadas, esse é um mercado lucrativo, cultural, turístico.
E ATUALMENTE, QUEM NOS REPRESENTA????

Um comentário:

  1. Ótimo texto Janinha. É isso mesmo o que acontece. Parabéns.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...