segunda-feira, 29 de abril de 2013

SOERGUENDO UMA INTELIGÊNCIA RARA. Por: Marinalva Freire da Silva

SOERGUENDO UMA INTELIGÊNCIA RARA

Marinalva Freire da Silva

Ao abrirmos as páginas de Textos vivos e reverenciados de um imortal nordestino, deparamo-nos com a apresentação “Romero Cardoso: uma inteligência rara!”, de autoria do jornalista Clemildo Brunet que assim se expressa: “Bom seria que nós, seres humanos, estivéssemos sempre prontos a falar coisas boas de nossos semelhantes, e assim estaríamos cumprindo a recomendação do apóstolo Tiago, 15, 4-11 [...]” .

Dessa forma, o ilustre comunicador inicia sua apresentação sobre o geógrafo e historiador José Romero Araujo Cardoso, autor da obra que acabo de organizar.

Paraibano nascido em Pombal, Romero está radicado em Mossoró desde 1998, quando se submeteu ao concurso de professor efetivo na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus Central, Mossoró-RN, e foi aprovado.

Romero tem uma vida dedicada à pesquisa, é um estudioso assíduo da cultura e dos costumes nordestinos, principalmente de Mossoró, cidade que o acolheu como filho. Temas como Lampião, Luiz Gonzaga, Josué de Castro, lendas e folclores da região, cordel, guerra dos Canudos, Padre Cícero do Juazeiro, aboio, seca entre outros são uma constante nos seus escritos.

Retomando o perfil de Romero Cardoso, o apresentador revela:

Foi de Romero que ouvi pela primeira vez, que eu era descendente direto do grande naturalista francês Louis Jacques Brunet, cientista renomado que foi o responsável pela descoberta e fomento na condução da carreira do maior artista plástico paraibano, o areiense Pedro Américo. Romero Cardoso, esta homenagem que lhe presto, não é simplesmente por ser seu amigo, poderia haver até razão de ser. Mas não é por esse lado. A verdade é que desde o dia em que travamos o nosso primeiro diálogo, descobri a suficiência de sua capacidade e a maneira simples como você a expressa: Sem vaidade e sem orgulho. Daí a razão do título deste artigo. Romero Cardoso: Uma Inteligência Rara!

Lançando um olhar no prefácio –“Reverenciando e referenciando obra e autor” , cujo autor é o insigne escritor Archimedes Marques, encontramos este define José Romero Araújo Cardoso “[...] um verdadeiro homem na expressão da palavra, além de culto, ícone inconteste de densidade e de maturidade acadêmica, um homem que pela sua história de vida, dentre os tantos percalços, pedras e espinhos na sua caminhada, sempre se fez vitoriosos”

Dialogando com Pe Chitumba sobre Romero, através de correio eletrônico, eis como este se expressou:
Quanto ao livro sobre Romero, a professora sabe que eu tenho uma admiração fora de série por ele pela sua sabedoria, pelo seu empenho em buscar e cultivar a sabedoria que é dom e ao mesmo tempo depende do cultivo e "interesse" que lhe damos; e Romero se entrega de corpo e alma a esse trabalho. Ele acredita naquilo que diz e faz e, portanto, muito coerente. Eu admiro nele também este belíssimo contraste quase, diria... musical, isto é, de sábio e inteligente que é, com a humildade que ele cultiva e o livro dele, " Fazenda da Esperança Santa Rosa: reminiscência de um processo de retorno à vida", onde ele não se envergonha de falar de suas crises, é um exemplo vivo disso. Ele é uma pessoa muito grata, e sabe fazer-se companheiro de todos: sorri facilmente com os que sorriem e chora com os que choram. Também é explosivo, no sentido de que não tolerar facilmente a injustiça, venha ela de que "bancada" ou de quem vier e nem todos o suportam, por isso.
Cara professora, em poucos meses que eu estive com ele foi isso que observei dessa figura humana.
Com referência aos posfácios, observamos que Francisco Cardoso se refere ao cronista Romero nos seguintes termos:
Falo de Romero como um dos homens mais corajosos que conheci nos últimos tempos. A história paginada nos livros nordestinos deve muito a este jovem pesquisador, porque ele emprega o seu tempo, dias e noites adentro, pesquisando vida e obra dos destacados líderes regionais.
O nosso escritor é a cultura viva de que tanto necessitamos para os momentos sagrados da pesquisa. Ele tem dentro de si a vivacidade do grande Luiz Gonzaga, através do seu cancioneiro lembrado a cada instante por todos nós.
Sobre os temas abordados por Romero, o citado posfaciador nos chama a atenção, pois “são obrigatórios para qualquer escritor, como a busca pela integração regional no planeta, a eterna disputa entre o socialismo e o capitalismo, os conflitos constantes no Oriente Médio, são focos [...]fundamentados no ódio, na injustiça social, no ouro chamado petróleo”,o que nos preocupam. Conclui seu escrito com a certeza de que “Romero será introduzido na galeria dos Escritores Amigos do “Caldeirão Político” e receberá o Troféu de “Gonzagueano do Ano”.
Retomando os posfácios, observamos que em “Os escritos de Romero”, de autoria do insigne escritor Ignácio Tavares, destacamos:
[...] a sua insistente leitura de livros da literatura do cangaço influenciou de forma marcante [em Romero] o seu gosto por esse segmento literário. Mas, a diversidade dos seus textos é tanta que nos leva a crer que outras opções literárias assimiladas, em razão da leitura diversificada, da mesma forma o influenciou, conforme se observa nas formas e estilos com os quais seus textos são escritos.
Sinto-me feliz porque faço parte de uma corrente de amigos de Romero que, unidos, estamos conseguindo soerguê-lo e mostrar-lhe que “viver é uma arte de aprendizado”, que vale a pena voar livre como as gaivotas, sobrevoar como as águias no imenso firmamento construído pelo Arquiteto do Universo-Deus.
Voltando meu olhar para os “Textos vivos....”, acho oportuno destacar que todos os artigos e/ou crônicas que integram este livro foram publicados em blogs, revistas, livros, apontamentos de aula. É tão evidente a recepção dos escritos romerianos que motivaram os alunos da UERN a desenvolver, com o professores José Romero Araújo Cardoso e Benedito Vasconcelos Mendes, um projeto de pesquisa cujo tema escolhido foi Josué de Castro com “Geografia da fome” por ser esta ( a fome) um monstro que apavora o Planeta e inquieta “os que comem pelo medo dos que não comem”.
Assim, construindo e reconstruindo mosaicos literários permeados com o compromisso ético-cristão de ensinar “aos que comem “ que não ‘tenham medo dos que não comem’, mas que. compartilhem com estes o pão e o peixe , a fim de termos um mundo melhor porque mais justo . É nesta linha de raciocínio que Romero conclama Josué de Castro com sua Geografia da fome, obra que deve figurar nas grades curriculares da universidades brasileiras numa modalidade transdisciplinar com vistas a conscientizar aqueles que têm que os excluídos são nossos semelhantes e , portanto, merecem também desfrutar do alimento que a terra presenteia ao homem com a permissão divina, embora a ganância, a ambição não permitem que sobre algo para os desprovidos do mínimo para se viver- a alimentação.
Como podemos deduzir do que se encontra aqui escrito sobre Romero, trata-se de uma pessoa sensível, hiperativa, inquieta, ainda desencontrado no campo do amor, isto talvez por motivo de sua inquietude, insegurança, fatores que o levaram por um tempo a trilhar por um caminho diferente do seu dia a dia, cujo preço foi–lhe muito alto. Mas não merece censura, apenas compreensão, carinho palavra amiga e de soerguimento. Sabemos que Deus, diferentemente do homem, não escolhe pessoas capacitadas para a sua messe, capacita os escolhidos como o fez com Saulus (Paulo) e, agora, Romero. O que ocorreu com Romero é normal nos gênios. O bom é que ele ergueu-se, caiu para novas quedas, até que encontrou o prumo e segue firme e inabalável como a rocha. Assim seja, Romero, porque Deus é AMOR.
Não sendo eu uma especialista nos temas abordados por este baluarte, custou-me um pouco organizar esta obra erigida com artigos dispersos dado a sua riqueza conteudística e a sua inter e transdisciplinaridade, de caráter pedagógico na sua maioria. Mesmo assim o fiz e entrego ao público-leitor de Romero Cardoso para que possa desfrutar desta miscelânea literária.
Desfrutem, pois, desta maravilha de Textos vivos e reverenciados de um imortal nordestino.
 
 
Professora Doutora Marinalva Freire da Silva
 
 
 
Prof. José Romero Araújo Cardoso
 
 
 
Marinalva Freire da Silva
 

Licenciada em Letras Clássicas e Vernáculas (1973) e em Pedagogia (1979) - Universidade Federal da Paraíba-1973. Mestre em Letras –PUC-Curitiba-PR (1982). Doutorado em Filologia Românica (1990/1991)-Universidade Complutense de Madrid (Espanha). Pós-graduação em Pedagogia Religiosa: Teologia. Arquidiocese da Paraíba/ Institutos Paraibanos de Educação/ Universidade Federal da Paraíba- João Pessoa (1997) . Professora de Língua Portuguesa - Universidade Federal da Paraíba-João Pessoa (1974/1994). Professora Colaboradora Honorífica da Faculdade de Filologia Românica da -Universidade Complutense de Madrid (1987/1988- 1990/1991). Consultora da Universidade Estadual da Paraíba-Campus III –Guarabira-PB (1994-1996). Professora Visitante da Universidade Estadual da Paraíba -Campus I – Campina Grande (1997-1999) e Professora Titular (a partir de 1999). Professora Convidada da Faculdade de Formação de Professores de Goiana –PE (a partir de julho/2011). Delegada de Direito da Pessoa Humana. Tradutora de Espanhol. Membro da Associação de Professores de Espanhol da Paraíba (Presidente de 1992/2002) e de São Paulo; International Writers and Artists-IWA,/OHIO,USA; da Academia de Estudos Literários e Linguísticos de Anápolis/GO; da União Brasileira de Escritores da Paraíba-UBE/PB; da Academia Feminina de Letras e Artes da Paraíba-AFLAP/PB e do Instituto Paraibano de Genealogia e Heráldica. Obras publicadas: Ditames do Coração (1989); Genealogia de Daura Santiago Rangel (1991); Genealogia de José Freire de Lima (Parceria com Expedito Freire de Lima; 1992); Perspectivas Poéticas (1992); Plural dos nomes em -ão na língua portuguesa: uma abordagem filológica (1993); Daura Santiago Rangel: Perfil de uma Educadora(1993); Español Instrumental (lª a 9ª ed. ,1996-2006; Reflexiones(1997); Homenagens em Poesia (1998; 2ª ed. 2013); Recordar conforta a alma (1998); Augusto dos Anjos: Vida e poesia (1998; obra traduzida, 2001); Edición Crítica del Regimento Proueytoso contra ha Pestenença (Publicación en CD,1991); edição impressa, 2008); Daura Santiago Rangel: una Educadora (Traduzida, 2000);YO (Eu de Augusto dos Anjos (Tradução em parceria, 2000; 2ªed. 2010); Español a través de textos I (2002); Coletânea poética (2002); Dicionário Erótico Brasileiro (2004); Español a través de textos II (2005); Daura Santiago Rangel: Reconstrução de uma época (2006); Estudos Filológicos. Literatura. Cultura (2007); Español a través de ejercicios (2007); Semântica Toponímica dos Municípios Paraibanos (Parceria, 2007); Edição Crítica do Regimento Proueytoso contra ha Pestenença (edição em língua portuguesa, 2008); O Despertar da Cultura (Org.; 2008); Na trilha da transdisciplinaridade...(Org., 2010). O Universo Poético de Luiz Fernandes da Silva (Org. em parceria, 2010); A Interculturalidade em ação...(Org, 2010); Presencia de los arabismos en las lenguas castellana y portuguesa... (2011); Trabajando el texto en Lengua Española (Org., 2011); Español en la enseñanza básica (2011); Em busca das identidades linguísticas e culturais (Org., 2012); Um olhar sobre a Pedagogia Moderna (Org., 2012); Entrelaçando as culturas na trilha da cidadania (Org., 2013); Literatura & Linguagens (Org., 2013); Adauto Ramos. O baluarte da Genealogia e Heráldica da Paraíba (2013); Reminiscências literárias (2013); Amelinha Theorga Ayres, a Paisagista do Mar (2013). <marinalvaprof@gmail.com> .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...