quinta-feira, 23 de maio de 2013

Santo Antônio de Barbalha: Corte do Jatobá abre ritual da Festa do Pau da Bandeira


Considerado um dos pontos altos dos festejos do padroeiro, o momento mobiliza 150 homens do Sítio Flores
Por: Edy Lima
Fonte: Diário do Nordeste
Barbalha. O esforço é pela fé. Uma multidão segue em carreata até a mata do Sítio Flores, neste Município, para seguir um ritual que atravessa mais de oito décadas. O corte do Pau da Bandeira, para a Festa de Santo Antônio de Barbalha, que começa no dia 2 de junho, com o cortejo do mastro do padroeiro da cidade, ocorreu na manhã de ontem. Cerca de 500 pessoas, em sua maioria carregadores do pau, foram presenciar o momento que consideram sagrado. O jatobá de 23 metros, pesando cerca de duas toneladas, foi retirado da mata com apoio de um guindaste e, finalmente, colocado na chamada "cama do pau", a mais de dois quilômetros do local onde foi cortado, no Sítio Roncador.

A árvore escolhida tem 23 metros de altura e pela duas toneladas fotos: elizângela santos

A preparação dos carregadores começa cedo, com o caldo, no Mercado Central, para o reforço do trabalho que vem pela frente. São cerca de 9 quilômetros para chegar ao local, que foi visitado por mais duas vezes, para a seleção de cinco árvores, um angico e quatro jatobás, no dia 14 de abril, e, no último domingo, para a escolha do Pau da Bandeira da festa deste ano. O angico, considerado o mais adequado para o corte, não foi autorizado pelos órgãos ambientais. O trabalho contou com acompanhamento do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio).

Bênçãos

Antes do deslocamento até o Sítio Flores, a equipe de carregadores pediu as bênçãos do santo padroeiro da cidade e uma carreata seguiu para a Matriz. Para o capitão do pau, Rildo Teles, esse é um momento de fé do povo de Barbalha e um dos pontos mais altos da festa. "Me sinto imensamente feliz de poder estar à frente dessa tarefa de conduzir o Pau da Bandeira, com os carregadores", afirma. Desde 2001, ele é eleito como o líder do grupo, que chega a pelo menos 150 homens.

Antes do primeiro golpe de machado para o corte do mastro, mais uma oração, com a imagem de Santo Antônio nas mãos, para abençoar o rito. A árvore é retirada da mata nativa, fora da Área de Proteção Ambiental (APA). A escolha passa por critérios também entre os carregadores. O mastro deve ser retilíneo, longo e de preferência com um peso que facilite a condução durante o cortejo. São cerca de seis quilômetros, a partir da saída, no dia 2, às 11 horas. A chegada este ano será antecipada e a previsão é hastear a bandeira do santo às 17 horas.

Segundo o secretário de Cultura da cidade, Antônio Sisnando, a partir da próxima segunda começa o processo de ornamentação da cidade. As cores de uma das maiores festas alusivas ao santo casamenteiro do Brasil invadem as ruas de Barbalha, que durante este ano recebeu o título, reconhecido por lei estadual, de Capital da Festa de Santo Antônio. E com referência a esta denominação, o secretário afirma que a cidade comemora.

Público

"Será o principal tema da festa, que irá acolher milhares de pessoas", afirma. A estimativa é mais de 350 mil pessoas estejam na cidade durante o primeiro dia do cortejo, que atrai turistas doe várias partes do Brasil.

A preocupação de chegada na Matriz mais cedo que o ano passado, segundo o secretário, é justamente para atender à expectativa dos turistas, imprensa e população em geral e tornar a festa mais segura. E o apelo foi repassado para os carregadores pelo capitão, durante o começo da concentração, ontem. "Esse ato vem sendo renovado há muitos anos, e não temos como descrever a fé e tudo que envolve esse momento mágico".

Segundo ele, exercer a função de capitão do pau é uma das coisas mais importantes, mas a responsabilidade é o fruto da fé. "Temos alguns excessos, mas há o zelo e o cuidado pelas pessoas", ressalta. O professor e pesquisador Josier Ferreira, acompanha todo o processo de retirada do jatobá. Há vários anos ele realiza pesquisa sobre o ritual, a tradição e a sustentabilidade ambiental, numa integração do homem com a natureza.

Devoção

Segundo o professor, o porte das árvores retiradas da área da Chapada do Araripe é condicionada por alguns fatores ambientais. Numa análise de foto de satélite, ele afirma que as maiores estão próximas aos cursos de águas superficiais.

No caso do jatobá, com cerca de 35 anos, a retirada aconteceu bem próximo ao leito do Riacho Seco. Para ele, duas coisas caracterizam a festa de Barbalha: uma delas, a devoção do padroeiro; e a outra, as condições de floresta que o município tem agregado a uma área de Bacia Sedimentar, na encosta. Em praticamente todos esses anos, as árvores eram retiradas do Sítio São Joaquim e, a partir de 2000, começaram, a ser retiradas também do Sítio Flores.

"É uma floresta que seca, mas mantém algumas espécies da própria vegetação da Chapada do Araripe, como é o caso do Jatobá", explica. A festa ainda passa por um processo de reconhecimento, junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como patrimônio imaterial. A programação se estenderá do dia 2 até 13 de junho, encerrando com a procissão do padroeiro.

ENQUETE

Por que a festa é importante para a região?

"A festa reúne fé e natureza. A existência da natureza condiciona a prática afetiva no imaginário das pessoas, utilizando o culto a Santo Antônio a partir de um contato com a natureza"

Josier Ferreira
Pesquisador

"É uma tradição que se repete há mais de oito décadas e hoje há uma preocupação maior relacionada à retirada da árvores, de uma Área de Proteção Permanente (APP). A tradição deve ser preservada

Cícero Tiago
Ambientalista e carregador do pau

Mais informações

Secretaria de Cultura e Turismo de Barbalha, Rua da Matriz, 25
Centro
Barbalha - Cariri
Telefone : (88) 3532.1708

ELIZÂNGELA SANTOS
REPÓRTER

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...