quinta-feira, 18 de março de 2010

Compositores do Brasil: Sivuca - Por Zé Nilton


Seu nome é bem nordestino: Severino Dias de Oliveira. E como todo bom músico nordestino, desses que já nascem feito, começou a vida artística através das potentes Rádio Clube de Pernambuco (que falava “para o mundo”, dizia seu pré-fixo) e Rádio Jornal do Comércio, ambas em Recife, sem antes animar as festas e as feiras de sua terra natal. Lá, recebeu a alcunha de Sivuca.

Mas, é no sudeste, destino de todos os talentos daqueles tempos, que Sivuca vai se projetar para o Brasil e para o mundo.

Sivuca difere da maioria dos músicos nordestinos por aliar seu dom musical com as teorias sobre a arte da música. Assim é que, ainda no Recife, nos fins da década de 1940, estuda harmonia com o excelente maestro Guerra Peixe.
Seus dotes (e quão consagrados dotes!) de instrumentista, arranjador, compositor e produtor vão ser realçados quando entra para a novel TV Tupi, na segunda metade dos anos cinqüenta.

De lá, vai para o mundo. Após temporadas em Paris, no Olimpia, fixa residencia na Europa, entre Portugal e França.

Mas, sua consagração internacional resulta de sua estada nos Estados Unidos, quando dirige e acompanha a famosa Miriam Makeba. Quem não se lembra do estrondoso sucesso “Pata-Pata”,de Miriam Makeba ? Seu nome completo: Zenzile Miriam Makeba, cantora sul-africana, conhecida como "Mama África", por suas lutas pelos direitos humanos e contra o apartheid . Pois esse sucesso deve-se ao nosso Sivuca, pelos arranjos e acompanhamentos na famosa música, que estourou por aqui lá pelos idos de 1969, lembram ? Nessa época é aplaudido de pé no Carnegie Hall, em Nova York.

A trajetória de Sivuca é extensa e absolutametne rica em participações com astros e estrelas do cinema e da música em todo o mundo.

Toca violão/sanfona, faz vários arranjos para orquestra de cordas e em parceria com o compositor/arranjador Nelson Riddle escreve a quatro mãos outro arranjo de uma canção escrita para Julie Andrews homenagear Vincent van Gogh. Deixa sua marca de sanfona/voz no antológico solo improvisado no disco do Paul Simon e outro no de Bette Midle. Faz parte de importante especial para a TV francesa, com Harry Belafonte e Marcel Marceau.

Sivuca é presença em todo o mundo onde o assunto seja a música de qualidade. De Copenhague, Berlim, União Soviética, Alemanha, Paris, Portugal, Recife e nos sertões do Brasil ensinou e aprendeu os segredos da arte musical. Tanto é que, em 1999 recebe o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal da Paraíba.

Esse paraibano de Itabaiana, nascido aos 26 de maio de 1930, foi casado com a compositora, cantora e médica Glorinha Gadelha, natural de Sousa-Pb, aqui bem pertinho da gente.

O grande Severino Dias de Oliveira - Sivuca - não está mais entre nós fisicamente. Faleceu em 14 de dezembro de 2006, em João Pessoa. Deixou sua marca de brilhante instrumentista, compositor, arranjador. No Brasil e no exterior assinou as trilhas sonoras de belos filmes.

Sivuca, no Compositores do Brasil, nesta quinta, às 14 horas. Vale a pena lembrar do grande mestre.

No roteiro, algumas de suas bem estruturadas canções que ficaram imortalizadas na memória do povo brasileiro.

Postagem adaptada do texto do site da gravadora Biscoito Fino, de 2006

Repertório do programa de hoje, 18 de março
1. Forró e Frevo, Sivuca e Glorinha Gadelha, gravação de 1980, do LP forró e frevo
2. Reunião de tristeza, de Sivuca, gravação no Show Seis e meia, Teatro João Caetano, RJ, maio de 1977.
3. Barra vai quebrar, de Sivuca e Glorinha Gadelha Gravada pela Copacabana em 1978
4. No Tempo dos Quintais, Sivuca e Pulinho Tapajós, do LP Cabelo de Milho, gravação 1980
5. Cabelo de milho, de Sivuca e Paulinho Tapajós.do LP Cabelo de Milho, gravação 1980
6. Feira De Mangaio, de Sivuca, com Clara Nunes, regravação em CD, de 2008
7. Doce, Doce, de Sivuca e Glorinha Gadelha, participação de Glorinha Gadelha Gravada pela
8. Copacabana em 1978
9. Fôgo-pagô, de Sivuca e Humberto Teixeira Gravada pela Copacabana em 1978
10. O dia em que El Rei voltou à terra de Santa Cruz, de Sivuca e Paulinho Tapajós Gravada pela Copacabana em 1978
11. A história se repete, de Sivuca e Paulo Tapajós, Gravada pela Copacabana em 1978
12. João e Maria, de Sivuca e Chico Buarque, com Chico Buarque

Nosso Encontro, de Sivuca e Hermeto Pascoal, participação de Hermeto Pascoal Gravada pela Copacabana em 1978.

Quem ouvir, verá!

Informações:
Programa Compositores do Brasil
Pesquisa, produção e apresentação de Zé Nilton
Sempre às quintas-feiras, às 14 horas
Rádio Educadora do Cariri – 1020 kz.
Apoio: CCBN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...