quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A Retirada da MOSTRA SESC em Crato, pelo meu camarada Alexandre Lucas!

Estou divulgando esse texto retirado do blog do Alexandre Lucas, por contar com tal liberdade para tanto, sendo ele parceiro de blog, ideias e engajamento, achei o texto interessante e exponho aqui!
Valeu Alê...

Mostra SESC: Sem mortes ou chantagens

Por Alexandre Lucas*
“Uma Mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade” essa celebre e infeliz frase é de um estrategista de comunicação e ex-ministro do Estado Nazista na Alemanha, Joseph Goebbels que serve como elemento reflexivo a conjuntura que envolver a Mostra SESC Cariri deste ano. Desde o dia 05 deste mês, circula nas redes sociais a retirada da programação da Mostra na cidade do Crato sem um pronunciamento oficial da instituição que explique os motivos para tal posicionamento.
Diversas especulações vêm sendo feitas e algumas chegam a assustar de tão marcianas que são.
 
Indiscutivelmente o SESC desempenha um papel fundamental no desenvolvimento da região do Cariri e tem ao longo dos anos contribuído no campo da cultura, a Mostra SESC é um importante instrumento para fortalecer o turismo de eventos e toda a sua cadeia. A Mostra SESC gera renda e favorecer trocas estéticas e artísticas.
 
Vale ressaltar que as ações promovidas pelo SESC é fruto do dinheiro do povo brasileiro, recurso público. Não deve ser encarada como recurso privado. Isso significa que temos o direito de saber e escolher como esses recursos serão gastos. Portanto, não é bondade, favor ou algo parecido o que o SESC faz, mas é e deve ser antes de tudo responsabilidade social.
 
Por entender importância da Programação da Mostra SESC no Crato, não por uma questão de bairrismo, mas por um entendimento econômico, defendo (e não sou o único) a permanência dela na nossa cidade e a ampliação da mesma para outras cidades da região do Cariri. Pensar a retirada Mostra do Crato significa em proporções diferenciadas retirar do Juazeiro do Norte as romarias.                  
   
Nas mesmas redes sociais espalha-se um discurso perigoso de ódio que coloca artistas contras artistas, artistas como vilões. Não comungo, nem fortaleço essa onda desagregadora, prefiro enxergar um desejo amplo de diversos artistas desse território chamado Cariri querendo ser inclusos, querendo pagar o pão de cada dia com o suor da sua criatividade. Querendo ser percebidos e vistos como produtores permanentes e que dão a sonoridade, as cores e as expressões múltiplas deste caldeirão híbrido e efervescente.   
 
É hora de estamos juntos orando na mesma cartilha pela transformação e o desenvolvimento do Cariri sem retirada de conquistas. Queremos a Mostra com a sua programação no Crato como vem ocorrendo há cerca de 20 anos.
 
Um discurso que não condiz com a verdade é que o Governo Municipal do Crato não apoiou a Mostra e por isso a programação prevista para cidade foi retirada. Mentira, mentira, mentira e essa não pode se passar por verdadeira. Estive acompanhando de forma muito próxima os acontecimentos e posso afirmar com convicção que o gestor municipal, Ronaldo Gomes de Matos disponibilizou os serviços de todas as secretarias municipais, dentre elas Cultura, Educação, Segurança Pública (Guarda Municipal e Demutran), Esportes, Meio Ambiente e Controle Urbano, como também os seguintes espaços: todas as praças e Centro Cultural do Araripe. Menos o Teatro Municipal Salviano Arraes que já estava disponibilizado para Guerrilha do Ato Dramático. Vale ressaltar que o mesmo encontrava-se interditado e foi preciso fazer alguns ajustes emergenciais para poder atender a Guerrilha.
 
Destaco que a gestão municipal, da qual me incluo, não tem viseiras e reconhece a importância da Mostra SESC para cidade, tanto do ponto de vista econômico, como do desenvolvimento para o campo das artes e da cultura. É incalculável o prejuízo político e econômico para a cidade. É desprezível e repudiável essa ação contra o povo do Crato.          
 
A Secretaria de Cultura do Crato tem se esforçado para pensar a cultura como vetor de desenvolvimento para a cidade e algumas ações já estão sendo iniciadas neste sentido, como o processo de criação do Sistema Municipal de Cultura que é uma prerrogativa federal que colocará a cultura dos municípios brasileiros em outro patamar.     
 
Neste sentido chamo atenção dos meus companheiros e companheiras de arte que estão há anos na luta em defesa de uma nova perspectiva de gestão da cultura que contemple a demanda local sem esquecer a importância dos intercâmbios e as trocas estéticas e artísticas, esse é um momento de reconhecer o papel imperativo de soberania municipal, que o Governo Municipal do Crato teve ao acolher e defender a manutenção do movimento Guerrilha do Ato Dramático Caririense que contempla não um grupo, mas um conjunto de mais de 20 companhias e instituições, algumas delas que dificilmente passariam pelas curadorias dos grandes eventos, pois estão dentro de outra perspectiva estética e artística. Esse posicionamento comunga com o que muitos de nós defendemos: o atendimento prioritário as demandas locais e regionais, sem perder de vista outras possibilidades e conquistas externas. Esse posicionamento foi acertado e me representa. O que não me representa é a chantagem, o boicote e a exclusão da produção múltipla do Cariri.    
 
Portanto, não existe disputa de eventos, o povo do Crato, a meu ver não quer escolher entre Mostra SESC ou Guerrilha do Ato Dramático Caririense (Movimento), mas querem sim, os dois. Os dois devem ter vida longa. Não deixemos que as vitrines, os templos e ruas das artes tenham suas mortes anunciadas.  Sejamos todos insubmissos guerrilheiros das artes do Cariri e que nenhuma mentira se torne verdade.
 
*Pedagogo, artista/educador e integrante do Coletivo Camaradas.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...